terça-feira, 14 de junho de 2016

Jovem morta em ataque a boate gravou início de tiroteio no Snapchat; veja vídeo

Amanda AlvearA americana Amanda Alvear, 25 anos, flagrou em vídeo o momento em que os primeiros tiros soaram na boate Pulse, em Orlando, durante um ataque na madrugada do domingo (12).

A jovem estava no local com amigos, e já tinha gravado vários momentos de diversão e postado as imagens no aplicativo Snapchat, rede social que permite o compartilhamento de fotos e imagens com amigos.

Só que o trecho da noite de Amanda mostra o prenúncio do horror que se tornou a noite, quando um homem identificado como Omar Mateen invadiu a boate, matou 49 pessoas e feriu 53 antes de ser morto pela polícia. Amanda está entre as vítimas fatais do ataque.

No vídeo, a jovem aparece confusa e tentando explicar o que está acontecendo enquanto é possível ouvir o barulho de diversos tiros.

Ao jornal The Ledger, o irmão de Amanda, Brian, disse que a última notícia que ele teve da irmã antes da confirmação da sua morte foi a de que ela estava escondida no banheiro com outras pessoas. A melhor amiga da jovem, Mercedez Flores, 26 anos, também foi morta no local.

Veja abaixo vídeo que mostra início de tiroteio:
Amanda era estudante de enfermagem na University of South Florida. "Você era a melhor madrinha que alguém poderia querer. RIP Amanda Alvear. Sentiremos muita a sua falta, meu anjo. Eu te amo", escreveu Ashley Velez, irmã da americana, no Facebook. Um amigo de Amanda e Mercedez que estava com as jovens foi ferido e está internado em um hospital de Orlando. 

'Ele está vindo. Vou morrer', disse vítima de ataque em mensagem para mãe

Um americano de 30 anos, que morreu durante o ataque na boate gay 'Pulse', na Flórida, mandou diversas mensagens se despedindo da mãe momentos antes do crime. Eddie Jamoldroy Justice era contador e estava na boate no momento em que Omar Saddiqui Mateen invadiu no local e começou a atirar na madrugada do domingo (12).

Por volta das 2h, Eddie enviou para a mãe duas mensagens dizendo: "mãe, eu te amo" e "estou na boate, e estão atirando". A mãe dele, Mina Justice, acordou com o barulho da notificação da mensagem e ficou apavorada ao ler o que o filho havia escrito. Ela tentou ligar para o rapaz, mas ele não atendeu.

"Você está bem?", ela escreveu. Um minuto depois, ele respondeu: "eu estou preso no banheiro". Mina perguntou em que boate ele estava, e Eddie pediu para que ela entrasse em contato com a polícia. Um minuto depois, ele respondeu: "eu vou morrer".
Página da mãe de Eddie tinha uma foto do filho, vítima do ataque em Orlando (Foto: Reprodução/Facebook)
Mina mandou diversas mensagens para o filho, pedindo para que ele entrasse em contato com ela. Trinta minutos depois, ele tornou a lhe responder: "Ligue para a polícia, mãe. Agora. Ele está vindo. Vou morrer", escreveu Eddie. "Alguém está ferido?", perguntou a americana.

"Há muitos feridos. Ainda estamos aqui no banheiro. Ele está com a gente. A polícia precisa vir nos buscar", pediu. Mina disse que a polícia já estava no local, e pediu que o filho avisasse quando os visse. "Eles precisam vir mais rápido. Ele está no banheiro com a gente. Ele é um terror", escreveu. 

A mãe do americano ficou mais de 15 horas sem notícias de Eddie. Em entrevista à agência de notícias AP, antes da confirmação da morte dele, Mina falou que a espera era terrível. "O nome dele ainda não apareceu em nenhuma lista, e isso é assustador. Eu tenho... Eu tenho esse sentimento de que algo terrível aconteceu com ele", disse.

Nenhum comentário:

Postar um comentário