segunda-feira, 27 de junho de 2016

Recall de airbags 'fatais' tem baixa adesão no Brasil

A convocação de veículos para recall no país já é maior do que a quantidade de automóveis novos vendidos até maio deste ano. Foram de 863,7 mil unidades chamadas em relação as 811,7 mil unidades comercializadas. 64% do total chamado para reparo envolvem defeito no airbag, problema que levou ao maior recall da história, envolvendo mais de 60 milhões de veículos em todo o mundo desde 2013, como informa o Bahia Notícias. 

O defeito atribuído ao fabricante do componente, a japonesa Takata, pode fazer com que, ao ser deflagrada, a bolsa de ar exploda com muita força e lance estilhaços de metal, que podem ferir ou até matar os passageiros.  

Tendo a maioria nos Estados Unidos, foram 13 mortes e mais de 100 feridos notificados até agora, no Brasil, porém, não há registros de acidentes até o momento.  

Apesar da gravidade do problema, o índice de atendimento aos recalls dos chamados "airbags mortais" tem sido baixo. Em 2015, só a Toyota do Brasil convocou 522 mil modelos relacionados ao problema do airbag. De acordo com a empresa, até maio passado 21% (ou 109 mil) desses carros foram levados às concessionárias para providenciar o conserto.  

A Honda acumula o maior número de veículos nesse recall, com 792,5 mil unidades convocadas no país no ano passado. Segundo dados do Procon-SP, a abstenção é de quase 90%. Neste ano, a japonesa convocou mais 489 mil automóveis e utilitários, dos quais 325,1 mil na semana retrasada.  


No país norte-americano, a adesão máxima foi de 40%, conforme indicam órgãos locais de segurança do trânsito. A média de atendimento às campanhas como um todo no país é de 65%, enquanto no Brasil está na faixa dos 50%. 

"Nem sempre o consumidor liga o recall a um risco de acidente real", diz o gerente técnico do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec), Carlos Thadeu de Oliveira.  

Para o especialista, as campanhas pelas fabricantes precisam ser mais contundentes, deixando claro os riscos de lesão grave e até mortes. Oliveira ressalta que, em alguns casos, especialmente no início das convocações, as empresas não tinham peça para a troca e apenas convocavam os proprietários a levarem os carros para que o sistema de airbag fosse desativado, estratégia ainda mantida. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário