quinta-feira, 7 de julho de 2016

Ribeirão Preto: Condenado por morte de prostituta, empresário é solto após uma semana

Dezoito anos até ser julgado, dez horas para ser condenado e uma semana para conseguir habeas corpus e recorrer em liberdade. Condenado por arrastar e matar uma garota de programa em 1998 nas ruas de Ribeirão Preto, a 313 km de São Paulo, o empresário Pablo Russel Rocha obteve nesta quarta-feira (6) um habeas corpus e vai aguardar a análise do recurso fora da prisão.

Pablo foi condenado na noite do último dia 29 a 24 anos de prisão por ter arrastado por dois quilômetros e matado a garota de programa Selma Heloisa Artigas da Silva, a Nicole.

Ele foi condenado por homicídio triplamente qualificado -motivo fútil, uso de recurso que impossibilitasse a defesa da vítima e meio cruel.

Após a condenação, sua defesa recorreu ao TJ (Tribunal de Justiça) pedindo que ele pudesse recorrer em liberdade. Nesta quarta, o relator Péricles Piza concedeu liminar que permite a saída do empresário da prisão.

Seus advogados, Zulaiê Cobra Ribeiro, Sergei Cobra Arbex e Fernando Hideo Iochida Lacerda, alegaram que poderia recorrer em liberdade por já estar nessa situação nos últimos anos e não oferecer risco.


"Daí por que, ressalvada a reapreciação da matéria pela Egrégia Turma julgadora, concedo a liminar pleiteada para deferir a paciente o direito de apelar em liberdade, com expedição em seu favor de salvo conduto ou alvará de soltura", diz trecho da decisão do magistrado.

Pablo estava preso em Tremembé desde a última segunda-feira (4). Antes, ficou detido em Santa Rosa de Viterbo, cidade da região de Ribeirão Preto.

O CRIME

Nicole, grávida de três meses, morreu na madrugada de 11 de setembro de 1998.

Após ter sido arrastado por dois quilômetros, o seu corpo, esfacelado, foi abandonado na avenida Caramuru e o empresário foi para casa. Seu carro foi lavado para tentar eliminar vestígios de sangue.

O processo foi marcado por batalhas jurídicas. Pouco mais de um ano após a prisão, um parecer apresentado pelo legista George Sanguinetti, que atuou no caso PC Farias, contrariou a tese inicial de que Pablo amarrou Nicole e a arrastou até a morte.

Um laudo do IC (Instituto de Criminalística) havia descartado que tenha ocorrido um acidente e informou que a garota tinha sido presa pelo braço esquerdo. Parecer do IML de São Paulo indicou que ela foi amarrada por um nó duplo.

Esse não foi o único imbróglio judicial. Em 2012, por duas vezes o júri popular foi adiado, até ser realizado na última semana.

A defesa de Pablo sempre alegou que o que houve foi um acidente. Com informações da Folhapress.

Nenhum comentário:

Postar um comentário