quinta-feira, 14 de julho de 2016

Se o MP e a PF querem mudar a República, que façam política, diz Lula

Em seu discurso de despedida depois de uma viagem de três dias percorrendo Bahia e Pernambuco, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva teceu críticas à atuação do Ministério Público Federal e da Polícia Federal na Operação Lava Jato e foi ovacionado por militantes na noite desta quarta-feira (13), no Recife."Se algum representante do Ministério Público, que é uma instituição séria que eu respeito, quiser mudar a República, é melhor deixar o cargo e se candidatar a deputado ou senador e fazer política. Se algum policial federal quer mudar a República, é melhor fazer política", disse.

Neste ano, Lula chegou a ser conduzido coercitivamente por agentes da PF para depoimento em São Paulo em um desdobramento da Operação Lava Jato. Na terça (12), em Petrolina (PE), o petista já havia se queixado do episódio em uma entrevista à "Rádio Jornal".

Para o ex-presidente, desde dezembro de 2014 há uma criminalização do PT. Segundo ele, trata-se de uma represália por ser o seu partido o responsável pelas investigações de corrupção no país. "Foi o PT quem tirou o tapete que encobria a corrupção nesse país. Foi o PT que investiu na Polícia Federal. Foi no governo do PT que o presidente deixou de escolher o procurador geral da república dando autonomia. É isso que eles não aceitam", afirmou.

DISCURSO INFLAMADO

No último discurso do périplo pelo Nordeste, Lula apresentou uma fala inflamada, ao contrário do ato realizado pela manhã em Caruaru. O público também mais empolgado na capital pernambucana interrompia o petista com palavras de ordem e aplausos a cada ataque aos defensores do impeachment. Nem a chuva forte que caiu durante discurso foi capaz de dispersar a multidão.


Além do presidente interino Michel Temer e do deputado Eduardo Cunha, ambos do PMDB, Lula disparou críticas contra a imprensa, a quem acusou de fazer "conluio com a Câmara Federal" para afastar a presidente Dilma Rousseff. "Será que não é possível fazer investigação sem condenar a partir de manchete de jornal? Sem ter que vender manchete para jornal?", questionou aos gritos. E voltou a listar feitos que atribuiu ao seu governo, como o combate à miséria, maior acesso ao ensino superior e o programa Luz para Todos.

CARAVANA

Desde a última segunda-feira (4), o ex-presidente vem realizando uma série de atos em cidades nordestina, em busca de apoio à presidente afastada Dilma Rousseff. Em todos, fez questão de ser acompanhado por políticos locais.

Tanto na Bahia quanto em Pernambuco, foram escolhidas cidades estratégicas do ponto de vista político e econômico da região, como Juazeiro (PE), Petrolina (PE) e Caruauru (PE), esta na região de sua cidade-natal, Garanhuns. Os atos reuniram majoritariamente militantes ligados a algum tipo de sindicato ou movimentos sociais.

Lula sustentou a tese do golpe, repetindo a palavra incansavelmente a cada ato, e se disse vítima de perseguição das elites. Críticas direcionadas a Temer e Cunha, antigos aliados, também foram corriqueiras.

Em nenhuma das quatro cidades, percorridas em três dias, o ex-presidente se deparou com protestos contrários a ele e a Dilma. Com informações da Folhapress.

Nenhum comentário:

Postar um comentário