quinta-feira, 25 de agosto de 2016

Ipac encontra cerâmica jesuíta na igreja de Itacaré

Restauradores do Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural (Ipac) que fiscalizam obras na Igreja Matriz de São Miguel Arcanjo, em Itacaré, no Sul da Bahia, encontraram uma cerâmica do período dos jesuítas com mais de três séculos, localizada embaixo do piso comum, no altar da igreja. A capela que deu origem à igreja foi fundada no século XVI, pelo padre jesuíta Luís Grã, contemporâneo de José de Anchieta. Apenas em 1723 foi construída a versão atual do templo religioso, que foi tombado via Ipac em 2010 como Patrimônio Cultural da Bahia, sob o decreto 12.530/10. 

A revitalização da igreja conta com o incentivo financeiro dos turistas, comerciantes e moradores da região e do projeto ‘A Fé Restaurada’, que coleta doações de fiéis. A iniciativa tem apoio da prefeitura local e da Paróquia de Ilhéus. Em parceria, os restauradores e arquitetos da coordenação de Elementos Artísticos (Cores) do Ipac fazem a vistoria e orientação técnica da obra. Os reparos da matriz, que possui um altar-mor e outros dois altares menores, começaram com a retirada das camadas da tinta verde que cobriam o altar central da igreja e descobriram detalhes folheados a ouro. 

“Foram montados ateliês para realizarmos emassamento, nivelamento, reintegração de partes faltantes e recomposição de perdas da estrutura do altar-mor, incluindo o forro do teto da capela, além do restauro dos outros dois altares secundários”, diz a coordenadora da Cores, Kathia Berbert. “Também está sendo recolado o mármore de Carrara original, que tinha sido retirado e guardado na sacristia”, completa a especialista. Os restauradores localizaram ainda vários trabalhos artísticos, pinturas e a cor original do altar, em tom amarelo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário