quarta-feira, 3 de agosto de 2016

Jovem foi morto em lan house por engano; facções aterrorizam vida dos moradores em Águas Claras

Franklin e Samuel foram mortos no bairro Águas Claras
Integrantes do Bonde do Maluco (BDM) mataram Samuel Felipe Pereira, 21, por engano. A informação é de um agente do Serviço de Investigação da 13ª Delegacia (Cajazeiras XI), que não quis se identificar. “Eles procuravam um irmão dele que seria ligado à Katiara. Em resposta à ação, a Katiara matou o rapaz que morava na região dominada pelo grupo rival”, explicou ele.

Nesta terça-feira (2), o estudante Franklin Silva Santos, 17, foi assassinado em Águas Claras. A morte do adolescente ocorreu menos de 48 horas depois que Samuel foi executado dentro de uma lan house no mesmo bairro. Segundo testemunhas, nenhum deles tinha envolvimento com o crime. Os dois foram vítimas da guerra de facções que domina a localidade.

De acordo com a polícia, as quatro principais facções criminosas da Bahia atuam em Águas Claras: Comando da Paz (CP), Caveira – filiada ao Primeiro Comando da Capital (PCC) –, Katiara e o BDM, recém-chegado, mas tido como o grupo mais violento. É o BDM que vem aterrorizando a vida dos moradores e comerciantes do bairro, vizinho a Cajazeiras.

“Todos os bairros têm facções, grupos de bandidos, formados por jovens, que se associam a eles por uma questão de inclusão. Daí vem a luta pelo espaço para traficar e, consequentemente, as mortes. Em Águas Claras não é diferente”, informou o comandante da 3ª Companhia Independente de Polícia Militar (CIPM/Cajazeiras), o tenente-coronel Jackson Macedo Damasceno.

No domingo, Samuel foi baleado na Rua Presidente Médici, próximo ao final de linha. Ele foi enterrado ontem e parentes e amigos protestaram pedindo justiça. Horas antes do enterro, Franklin foi morto na porta do Educandário Laura Cavalcanti, na Rua Lourival Costa. Testemunhas disseram que o assassinato tem relação com a morte de Samuel. Os dois casos são investigados pelo Departamento de Homicídio e Proteção à Pessoa (DHPP). 

O comandante da 3ª CIPM diz que o tráfico em Águas Claras está dividido da seguinte forma: o Loteamento Condor é controlado pelo traficante Jhá, do Comando da Paz (CP). O início da Rua Presidente Médici (BC1) é dominado pelos Caveiras, sob o comando de Cote. Já o final da Presidente Médici (BC2) e a localidade de Tubão são ocupados pela quadrilha de Clebinho, da Katiara. A região de Cajazeira VII é do BDM, que tem como líder o traficante Ferrugem.

Para a polícia, as mortes recentes em Águas Claras estão associadas também à expansão do BDM na região de Cajazeiras, conforme o CORREIO revelou em edição do dia 22 de março deste ano, em que pichações das siglas da facção foram encontradas em muros, garagens e postos de iluminação pública da localidade Curva do Boi, em Cajazeiras X.

Segundo o agente da 13ª Delegacia, há cerca de dois meses, um grupo de 20 homens armados tentou tomar à força os territórios da Katiara. “Foram tiroteios diretos, mas ninguém saiu ferido. Então, 15 dias depois, houve outro embate e alguns integrantes dos dois grupos saíram feridos”, contou ele. (Correio24h)

Nenhum comentário:

Postar um comentário