segunda-feira, 5 de setembro de 2016

A separação litigiosa de Suzane von Richthofen

O casamento das presidiárias Suzane von Richthofen e Sandra Ruiz, o Sandrão, acabou em divórcio litigioso. O objeto da disputa são três máquinas de costura industrial da marca Sansei, avaliadas em 12 000 reais. As duas se casaram na Penitenciária Feminina Santa Maria Eufrásia Pelletier, em Tremembé, em outubro de 2014. No mesmo ano, elas deram uma entrevista ao apresentador Gugu Liberato, da TV Record, contando detalhes do enlace. Comovido com a história (e agradecido porque a entrevista rendeu recorde de audiência), o apresentador mandou dar de presente o maquinário para elas recomeçarem a vida aqui fora. Na cadeia, Suzane tornou-se uma das melhores profissionais do atelier de costura que funciona dentro de Tremembé, onde são fabricados os uniformes das presas e dos guardas que as vigiam do alto da muralha. Sandra era responsável pela manutenção das máquinas. Gugu mandou comprar três máquinas idênticas às usadas por elas na oficina.

A partir desse ponto, a história passa a ter duas versões. Suzane sustenta que Gugu deu as três máquinas a ela e não a Sandrão. Como não recebe visita de qualquer parente e não possui até hoje nenhuma referência familiar – ela não recebe visitas nem de amigos e o seu irmão Andreas não a vê há 10 anos – a acusada de matar os pais a pauladas pediu que o presente ficasse na casa do irmão de Sandra, na cidade de Mogi das Cruzes. Pelo combinado, diz ela, assim que começasse a sair da cadeia no regime semiaberto, pegaria as máquinas para montar o seu tão sonhado atelier de costura.

Sandra, já no regime aberto, relata outra coisa. Diz que Gugu deu as máquinas a ela porque foi graças ao seu empenho que a histórica entrevista ocorreu. Ela lembra que Suzane não queria falar “de jeito nenhum”. “A produção do programa entrou em contato comigo e me pediu para convencê-la a dar a entrevista”, conta Sandrão. Ela confirmou que recebeu as máquinas, mas não quis dizer se elas estão sendo usadas. Procurado por VEJA, a direção do programa do Gugu resolveu não se meter em briga de ex-casal.

A partir desse ponto, a história passa a ter duas versões. Suzane sustenta que Gugu deu as três máquinas a ela e não a Sandrão. Como não recebe visita de qualquer parente e não possui até hoje nenhuma referência familiar – ela não recebe visitas nem de amigos e o seu irmão Andreas não a vê há 10 anos – a acusada de matar os pais a pauladas pediu que o presente ficasse na casa do irmão de Sandra, na cidade de Mogi das Cruzes. Pelo combinado, diz ela, assim que começasse a sair da cadeia no regime semiaberto, pegaria as máquinas para montar o seu tão sonhado atelier de costura.

Sandra, já no regime aberto, relata outra coisa. Diz que Gugu deu as máquinas a ela porque foi graças ao seu empenho que a histórica entrevista ocorreu. Ela lembra que Suzane não queria falar “de jeito nenhum”. “A produção do programa entrou em contato comigo e me pediu para convencê-la a dar a entrevista”, conta Sandrão. Ela confirmou que recebeu as máquinas, mas não quis dizer se elas estão sendo usadas. Procurado por VEJA, a direção do programa do Gugu resolveu não se meter em briga de ex-casal. VEJA

Nenhum comentário:

Postar um comentário