sábado, 3 de setembro de 2016

Após relatos de explosões, Samsung suspende venda do Galaxy Note 7

Resultado de imagem
A Samsung Electronics anunciou nesta sexta-feira que vai suspender a venda do smartphone Galaxy Note 7 após incidentes que implicariam a explosão da bateria do modelo.

A empresa, a maior fabricante de smartphones do mundo, informou que substituirá os 2,5 milhões de aparelhos das pessoas que compraram este modelo.

Esta é a primeira vez que acontece uma retirada em tal escala de um modelo por parte do grupo sul-coreano.

"Recebemos várias informações sobre a explosão da bateria do Note 7, que foi lançado oficialmente em 19 de agosto", afirmou à imprensa o diretor do departamento mobile da Samsung, Koh Dong-Jin.

"Foi confirmado que era um problema da bateria", disse.

A Samsung já vendeu um milhão de aparelhos Galaxy Note 7 na Coreia do Sul e nos Estados Unidos.

Vinte e quatro aparelhos já apresentaram problemas de bateria, segundo Koh Dong-Jin, que afirmou "lamentar profundamente" o incidente.


Donos do aparelho começaram a publicar fotos e vídeos do Note 7, alguns deles totalmente carbonizados. Os internautas afirmaram que o smartphone pegou fogo de forma súbita.

Os problemas levaram a empresa a suspender as entregas no mercado interno e a atrasar o lançamento do produto em alguns mercados europeus.

A situação representa um grande revés para a empresa sul-coreana, que havia anunciado em julho uma alta do lucro superior ao previsto para o segundo trimestre, graças às boas vendas dos modelos de alto custo Galaxy S7 e S7 Edge.

Um analista, que pediu anonimato, afirmou que o incidente pode ter um impacto "significativo" no lucro do grupo sul-coreano no terceiro trimestre.

Mas Jeff Kim, analista da Hyundai Securities, afirma que o impacto da suspensão das vendas do Galaxy Note 7 provavelmente será limitado.

"Os erros técnicos nos módulos ou em outras partes dos smartphones têm acontecido com certa frequência, geralmente no primeiro mês após o lançamento", destacou em um relatório.

Ele indicou que os problemas podem ser resolvidos de maneira relativamente rápida e, assim, a Samsung poderia retomar em breve as vendas do Galaxy Note 7.

A divisão mobile da Samsung representa a parte mais forte da atividade do grupo. Nos últimos anos, a empresa enfrenta a concorrência da Apple, nos modelos de alto custo, e de fabricantes chineses, como a Huawei, nos produtos de médio e baixo custo.

Além disso, o problema da Samsung acontece poucos dias antes da Apple apresentar oficialmente o iPhone 7, na próxima quarta-feira.

As baterias usadas pela Samsung são produzidas por várias outras empresas, incluindo sua Samsung SDI. Koh não mencionou o nome da empresa responsável pelas baterias defeituosas, mas disse que as vendas na China - onde é utilizado um fornecedor diferente -, que começaram na quinta-feira, não foram afetadas.

Em nota, a empresa disse levar a sério cada relatório de incidente e priorizar a segurança dos clientes. "Até o dia 1º de setembro ocorreram 35 casos que foram relatados globalmente e estamos atualmente realizando uma inspeção completa com os nossos fornecedores para identificar possíveis baterias afetadas onde os produtos já foram vendidos."

Para os clientes que já têm um Galaxy Note7, a Samsung garante que substituirá o aparelho atual por um novo nas próximas semanas. "Estamos trabalhando em conjunto com os nossos parceiros para garantir que a experiência de substituição seja a mais conveniente e eficiente possível."

Vale lembrar que o produto ainda não foi comercializado no Brasil e seu lançamento no país, previsto para setembro, será adiado. Ainda não há uma definição sobre a nova data. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário