quinta-feira, 15 de setembro de 2016

Santa Luzia: Candidato a vereador acusa prefeito de oferecer pagamento em troca de votos

Candidato a vereador de Santa Luzia, o mecânico Deivison Oliveira Santos, entrou na Justiça com uma ação contra o atual prefeito, e candidato a reeleição, Antônio Guilherme dos Santos. 

Segundo a ação de solicitação de investigação judicial eleitoral, Deivison acusa Antônio de tentativa de compra de voto. O candidato a vereador conta que no dia 22 de agosto deste ano, Antônio, acompanhado do assessor Paulo Abelha, esteve em sua oficina durante à noite. A conversa, de pouco mais de 30 minutos, foi gravada e usada na ação judicial.

Deivison afirma que o prefeito Antônio lhe ofereceu benefícios em bens de consumo, sendo todo o material necessário para a campanha do candidato a vereador, para que em troca ele conseguisse votos para Antônio Guilherme. O montante final dos materiais fornecidos seria de 20 mil reais. 

"Pegue tudo que você precisar aqui e nós vamos botando. (...) Petróleo. Isso aí no dia em que você for botar seus carros pra rodar (...) O que eu vou fazer com o cara, o que tem aí quatrocentos votos, eu faço com você, a mesma coisa (...) Faça o seu orçamento! Fala, eu preciso disso, eu preciso comprar isso e isso e isso, tome, eu preciso comprar isso e isso, tome, comigo. Eu e você ! Pra não dizer assim que eu lhe dei os vinte mil contos (...) Agora, eu não posso é meter a mão no bolso e lhe dar vinte mil contos. Aí não dá. Mas se você for comprar gasolina, quanto? Você precisa de duzentos litros de gasolina. Quanto é duzentos litros de gasolina hoje? É tanto, tome. Só não é o dinheiro na mão", diz parte dos trechos da gravação na qual Deividson relata se tratar do candidato a prefeito.

Outro trecho da gravação, que foi ressaltado por Deivison, é quando um homem, que ele aponta como o assessor Paulo Abelha, afirma que o pagamento do material seria transformado em "nota". "Você não vai ter que comprar o material? Pronto. Paulão...?! Meu material deu isso aqui, queria ver com você, que deu três mil conto, pronto. Guilherme vai lá e paga pra você, que ele pega e transforma em nota lá...empurra os três mil contos...pronto", diz o trecho. De acordo com a ação judicial movida por Deivison, esse trecho aponta que os bens de consumo seriam pagos por meio de notas da prefeitura de Santa Luzia.

Em outro momento da gravação de 30 minutos, o homem apontado como o prefeito Antônio Guilherme se refere ao montante final do dinheiro gasto com os bens de consumo para a campanha como "o da compra de voto". “Não, pra não dizer que eu estou dando em espécie. Mas vai dar pra você e talvez ainda saia até mais. E fica no final, que é o dia em que vai dar... O compra de voto".

Em um dos trechos, ainda há afirmarções que mostram que os benefícios estão sendo oferecidos em troca de que Deivison consiga votos para o homem apontado como candidato a prefeito. "Eu confio que você vai chegar e transferir os votos pra mim (...) Então, vai pedindo uns votinhos aí pra mim. Não peça voto pra lá... que eu estou fazendo um negócio bom pra você. De irmão, de pai pra filho".

Ouça o áudio gravado pelo candidato a vereador:

Nenhum comentário:

Postar um comentário