quarta-feira, 14 de setembro de 2016

Sexo com robôs: a realidade futura?

O Reino Unido sedio a primeira conferência do mundo sobre sexo com robôs.O evento ocorreu na Universidade de Salford e foi intitulado "Tecnologia e intimidade: escolha ou coerção?".

Os participantes discutiram a possibilidade de ter relações intimas reais com uma inteligência artificial ou até a possibilidade de casamento entre pessoas e robôs.

O periódico britânico The Daily Mirror informou que as opiniões sobre o tema divergem muito, especialmente tendo em conta o tópico muito delicado do amor e relações sexuais.Durante entrevistas à Sputnik Japão, vários especialistas também partilharam de opiniões diferentes.

Em particular, a psicóloga e sexóloga londrina Kate Moil opina que a ideia de sexo com robôs pode atrair muita gente, especialmente aqueles que têm medo “de intimidade ou de recusa ou aqueles que são especialmente vulneráveis quanto às relações interpessoais”.
Resultado de imagem
A entrevistada partilhou da sua posição de que se uma pessoa usar um robô para sexo por um tempo prolongado, ela terá problemas em ter relações intimas com outras pessoas, já que seriam muito diferentes das relações com uma máquina. O sexólogo Lev Scheglov contou à Sputnik da influência que as tecnologias têm sobre as pessoas — ele parabenizou a realização da conferência no Reino Unido, dizendo que mesmo o robô mais atraente é só uma máquina criada para satisfação de necessidades humanas: "Estudar tudo o que tem a ver com pessoas no plano tecnológico é uma tarefa direta da ciência.


Por isso, do ponto de vista científico, a conferência é um passo correto. Mas a questão direta colocada sobre amor verdadeiro e casamento com um robô é ilusória, porque apenas se trata de um mecanismo melhorado para autossatisfação."

Ao mesmo tempo, o especialista russo nota que para certos grupos de pessoas tímidas os “robôs sexuais” realmente podem se tornar úteis. Mas ele sublinha que se trata de pessoas incapacitadas ou deficientes. "Para essas pessoas um encontro romântico e um contato sexual real é pouco possível, por isso o sexo com robôs para eles, de fato, seria uma grande melhoria", nota.

É importante destacar também que o Japão é um dos países mais robotizados no mundo. Mas até que ponto essa nova tecnologia poderia representar perigo para os japoneses no plano emocional? Tendo em conta que os jovens japoneses aspiram cada vez menos ao casamento ou mesmo a encontros românticos, um robô poderia privá-los dos pesos financeiros e emocionais associados às relações íntimas.

"No Japão o pornô pode ser comprado em praticamente qualquer loja. Qualquer europeu poderia dizer: que horror! Mas se dermos uma olhada nas estatísticas de crimes sexuais no Japão, veremos que não há muita violência sexual no país," notou o entrevistado russo. Pode ser por essa razão que as autoridades britânicas têm planos para criar bordeis inovadores com robôs sexuais, visando resolver um vasto leque de problemas sociais, inclusive prostituição ilegal e transmissão de doenças e infecções.

Nenhum comentário:

Postar um comentário