quinta-feira, 6 de outubro de 2016

Acusado de linchar dona de casa após boatos de internet é condenado a 30 anos

Um dos acusados de participar da morte da dona de casa Fabiane Maria de Jesus, linchada em 2014 no Guarujá, foi condenado a 30 anos de prisão. A defesa de Lucas Rogério Fabrício Lopes irá recorrer da decisão. O crime foi em 3 de maio de 2014, no bairro Morrinhos III, depois que Fabiane foi confundida com uma foto divulgada em redes sociais que afirmava que a mulher retratada sequestrava crianças para rituais de magia negra.

A Justiça determinou que além dos 30 anos de prisão Lucas deve pagar indenização de R$ 550 mil. No julgamento, o advogado de defesa tentou minimizar o crime, afirmando que se tratava de um homicídio simples. "Desde o início, venho perpetuando a defesa por ele ter assumido a participação no crime. Explica, não justifica. O homicídio ocorreu, mas, se nós atentarmos para a conduta do Lucas, ele apenas deu uma bicicletada na cabeça, isso, por si só, não mata ninguém", argumentou o defensor.

Para a acusação e a promotoria, a atitude de Lucas mereceu o julgamento por homicídio triplamente qualificado. "Ele participou efetivamente das agressões que levaram a morte. A defesa deve tentar desqualificar o homicídio triplamente qualificado, para homicídio simples ou até uma lesão corporal. O que nós, da acusação, não concordamos. Batalhamos por justiça plena", disse ao G1 o advogado Airton Sinto.

Fabiane, que tinha 33 anos, foi agredida até a morte por moradores do bairro. Eles acreditavam que ela era uma sequestradora de crianças cuja imagem estava circulando nas redes sociais. Amarrada, ela foi agredida até a chegada da polícia. Cinco pessoas foram presas pelo crime. Além de Lucas, Abel Vieira Batalha Junior, 18, que teria amarrado os pulsos da vítima e a arrastado pelo chão. Jair Batista dos Santos, 35, acusado de agredir a vítima - ele nega. Valmir Barbosa, 48, foi reconhecido nas imagens linchando a vítima. Ele confessou o crime e disse que agiu porque tem filhos e acreditou que Fabiane era a sequestradora. Carlos Alex Oliveira de Jesus, 23, foi reconhecido no vídeo segurando a vítima pelos cabelos. Ele nega ter batido na vítima. 

Fabiane era casada e deixou duas filhas. no dia do crime, ela saiu de casa de bicicleta e foi até a igreja buscar uma bíblia que tinha esquecido. Depois, ela foi até Morrinhos III visitar uma prima. No caminho, ela foi abordada pelos moradores , que a amarraram e espancaram. Ela teve o corpo arrastado até uma passarela. As cenas foram filmadas.
O retrato falado, divulgado pela Polícia Civil em 2012
O retrato falado que acabou levando Fabiane a ser confundida com uma criminosa foi feito por policiais do Rio de Janeiro em 2012. Na época da morte de Fabiane, a imagem estaria sendo divulgada na página Guarujá Alerta, no Facebook, afirmando que a mulher estava sequestrando crianças na cidade. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário