sexta-feira, 11 de novembro de 2016

Advogada é achada morta na Chapada dos Guimarães após denunciar assédio


O corpo da advogada Ariadne Wojcik, 25 anos, foi achado na quarta-feira (9) em um posto turístico da Chapada dos Guimarães, próximo a Cuiabá. Ela desapareceu depois de fazer um texto no Facebook acusando um professor de assédio durante um estágio.

Um inquérito da Polícia Civil investiga a morte, que a princípio é tratada como suicídio. Formanda pela Universidade de Brasília (UnB), ela foi nomeada na terça-feira (8) para uma vaga no Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT) e tomaria posse ontem.

O texto foi publicado horas antes do corpo ser achado e assustou familiares e amigos. Na postagem, ela afirma que sofreu abuso por parte de um professor da UnB, que também é procurador do Distrito Federal. “Pensei em um 100 números de ‘saídas’, mas fica difícil quando se é vítima de uma mente brilhantemente psicopática e narcisista determinada”, diz, no final, depois de relatar um cenário de perseguição. Ariadne diz que era vigiada e que se mudou para Cuiabá para tentar fugir do professor, mas que mesmo longe estaria sob observação. 

No fim do texto, ela conta que não aguentava mais o que estava passando e diz que "desistiu tudo", pedindo perdão à família e amigos. “Que na próxima reencarnação eu possa fazer uso de todo o aprendizado que isso me trouxe, mesmo com tanta dor e sofrimento.” Horas depois, ela foi achada sem vida próxima a um mirante - a suspeita é que ela pulou. Uma bolsa com os documentos da jovem foi achada próxima. 

Leia o relato completo:

Depressão
A polícia investiga se a advogada sofria de depressão, além de apurar também se o suposto assédio contribuiu para sua morte. Na bolsa achada perto do corpo da advogada, a polícia encontrou um cartão com telefone de um psiquiatra, que afirmou que a jovem passava por uma quadro depressivo. Uma carta, com informações similares à da postagem no Facebook, também foi achada.

O delegado Diego Martimiano, que investiga o caso, afirmou que o psiquiatra da jovem disse que ela "tinha um quadro de depressão profunda" e que ele receitou medicamentos de uso controlado, mas Ariadne recusou porque não queria tomar remédios.

A jovem, que havia se mudado de Brasília para Cuiabá há 15 dias, morava na casa de um tio. Ela chamou um táxi e pediu para ir até o mirante, que é um ponto turístico da Chapada dos Guimarães. Familiares e amigos não tiveram mais contato com ela e, assustados com a mensagem no Facebook, deram início às buscas. O corpo foi achado à noite. 

O professor citado pela jovem, Rafael Silva, disse ao site Metrópoles que o relacionamento dos dois sempre foi profissional e negou o assédio. Ariadne estagiou em um escritório de advocacia do docente. "A demissão dela foi tranquila, sem problemas. Em agosto deste ano, ela começou a me mandar e-mails dizendo que eu tinha grampeado o celular dela, colocado câmeras na casa e a estava perseguindo”, diz.

Segundo ele, amigos pediram que ele não registrasse o caso porque Ariadne tinha problemas psiquiátricos. “Fiquei muito triste quando ela mandou esses e-mails. Comuniquei a quem senti que devia comunicar. De fato, não prestei queixa porque ela havia acabado de se formar e era uma pessoa de quem eu gostava muito. Não queria que isso prejudicasse ela na atividade profissional”, afirma.

Nenhum comentário:

Postar um comentário