terça-feira, 20 de junho de 2017

Número de pedidos de refúgio no Brasil em 2016 sobe 23%

O Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados, com a sigla Acnur em português, divulgou nessa segunda-feira (19), que houve aumento nos números de refugiados e no de pedidos de refúgios no Brasil em 2016. O levantamento considera dados do Comitê Nacional dos Refugiados (Conare), do Ministério da Justiça.

Em 2016, o número de refugiados no país subiu 9,3%, e o de pedidos de refúgio cresceu 23,6% em comparação a 2015.

O Brasil tinha 8.863 refugiados em 2015. No ano seguinte, o número saltou para 9.689. Já o total de pedidos de refúgio passou de 28.670, em 2015, para 35.464, em 2016.

Os números oficiais só serão divulgados pelo Conare ao longo da semana, mas parte deles foi antecipada nesta segunda-feira em São Paulo pelo Acnur, durante um encontro que está sendo realizado para o apoio dos refugiados.

Crise humanitária

Conflitos locais, guerra civil e fome fizeram com que o número de refugiados e deslocados no mundo aumentasse ainda mais em 2016, segundo relatório divulgado nesta segunda. Os dados estão tornando a atual crise humanitária a mais grave desde a fundação da ONU, em 1945.

Os países com maior número de refugiados são Síria, Afeganistão, Sudão do Sul e Somália, e os países que mais os recebem são Turquia, Paquistão, Líbano, Irã, Uganda, Etiópia e Jordânia, países não desenvolvidos

O número de refugiados e deslocados no mundo atingiu 65,6 milhões de pessoas no ano passado, um crescimento de 300 mil na comparação com 2015, segundo o Relatório Global Sobre Deslocamento Forçado em 2016, divulgado pelo Acnur.

Desse total, 10,3 milhões foram forçadas a deixar seus lares pela primeira vez (15,7%) e metade são crianças. Crianças que viajavam sozinhas ou separadas de seus pais pediram cerca 75 mil solicitações de refúgio só no ano passado.

A guerra na Síria, que já dura 6 anos, é a causa do maior fluxo de refugiados do planeta. São 5,5 milhões de pessoas que deixaram o país em busca de um local mais seguro, segundo o relatório do Acnur.

Países de origem dos refugiados em 2016

Síria: 5,5 milhões
Afeganistão: 2,5 milhões
Sudão do Sul: 1,4 milhão
Somália: 1,0 milhão
Países que mais receberam refugiados
Turquia: 2,9 milhões
Paquistão: 1,4 milhão
Líbano: 1 milhão
Irã: 979,4 mil
Uganda: 940,8 mil
Etiópia: 791,6 mil
Jordânia: 685,2 mil

O relatório também faz um alerta para o elevado número deslocamentos internos: 6,9 milhões de pessoas forçadas a se deslocar dentro dos seus próprios países. A Síria, Iraque e Colômbia são os países com maior número de refugiados internos.


Segundo o porta-voz do Acnur no Brasil, os dados podem indicar uma tendência de aumento do fluxo de refugiados no futuro, pois esses deslocamentos internos mostram que as pessoas tentam ficar nos países onde nasceram antes de se refugiar em outros países. G1

4 comentários:

  1. pra quê esses estrangeiros aqui , s e não temos nem pra nós brasileiros , aí eles vem tirar os empregos nossos que hj é escasso segundo estatísticas

    ResponderExcluir
  2. pra quê esses estrangeiros aqui , s e não temos nem pra nós brasileiros , aí eles vem tirar os empregos nossos que hj é escasso segundo estatísticas

    ResponderExcluir
  3. É isso ai que a lei de migração quer para nos, pois agora, o desemprego vai aumentar e desvalorizar a mão de obra seguindo de aumento na prostituição ETC......

    ResponderExcluir
  4. não entendo se não temos emprego pra nos brasileiro nem comida pra nosso povo pobre aqui ..temos que abrigar esse povo e dividi o que já não tem aqui ..não sei porque isso..já sei pra os governantes se aparecer na mídia INTERNACIONAL...AFFFFFFFFFF

    ResponderExcluir