sexta-feira, 9 de junho de 2017

Sequestrador que colecionava documento das vítimas é preso em Pirajá

Alexandre Soares Salvador, 28 anos, foi preso suspeito de participar de diversos sequestros relâmpagos em Salvador e na Região Metropolitana. Segundo a Secretaria de Segurança Pública (SSP), ele tinha o hábito de colecionar os documentos das vítimas. A polícia não informou a quantidade, mas disse que vários documentos foram encontrados na casa do suspeito, em Pirajá. A prisão aconteceu na tarde desta sexta-feira (9).

A investigação que resultou na prisão de Alexandre começou no dia 2 de maio, quando a polícia encontrou, no bairro de Tancredo Neves, o carro de uma mulher que sofreu um sequestro relâmpago, na Estrada do Coco. Antes de abandonar o carro, o sequestrador usou o cartão de crédito da vítima.
Os investigadores foram até os estabelecimentos onde as compras foram realizadas e identificara Alexandre. A polícia pediu à Justiça a autorização para prender o suspeito e fazer uma busca e apreensão na casa dele. Os mandados foram expedidos e a ação foi realizada nesta tarde.

Segundo a polícia, Alexandre tem duas passagens pela polícia: uma por associação criminosa e outra por receptação. Desta vez, ele será indiciado por extorsão mediante restrição da liberdade da vítima. Os investigadores acreditam que ele agia com outros dois comparsas, mas os outros suspeitos ainda não foram identificados.
Quem reconhecer Alexandre como sequestrador pode procurar a 11ª Delegacia (Tancredo Neves) para registrar queixa.

2 comentários:

  1. será que pela essa justiça ele deveria ser preso ? onde um bando de corrupto desonesto do STF demostra e pratica maiores crimes inclusive ao vivo pela televisão, onde um ordinário ,vagabundo,ladrão confesso de um suposto presidente, e esses marginais de colarinho branco o absorve na maior cara de pau e ao vivo pra todo país assistir. então pra que prender pé rapado só pra aumentar as despezas nos presídios.

    ResponderExcluir
  2. se levar ele pra ser julgado pelo stf, o parecer será inocentado,pois, mesmo ele sendo um criminoso, terá que ser mantido em liberdade pelo fato do cidadão aí ser um "colecionador".

    ResponderExcluir