terça-feira, 25 de julho de 2017

Família de bióloga morta em acidente na BA envolvendo Liedson diz que processará ex-jogador por alta velocidade


A família da bióloga Viviane Magalhães Andrade, de 33 anos, que morreu após o carro que dirigia ser atingido pelo veículo do ex-jogador Liedson, na BA-887, perto da cidade de Valença, na Bahia, deve entrar com um processo na Justiça contra o ex-atleta. Outra ação deve ser movida contra montadora do carro de Viviane, porque, segundo o advogado dos parentes da vítima, os airbags não foram acionados no momento do acidente.

Viviane, que morava com os familiares no bairro da Boca do Rio, era a caçula de três irmãos. Ela dirigia o veículo no momento da batida. O marido dela, Daniel Porto Cabral, também estava no carro, mas sobreviveu. Ele ainda não chegou a ser ouvido pela polícia, por estar bastante abalado, assim como os demais familiares.

"Todos os elementos colhidos com a outra vítima, que é o esposo de Viviane, levam a crer que houve uma ultrapassagem indevida com um excesso de velocidade por parte do jogador. E a perícia vai confirmar isso", destacou o advogado Diego Benevides.


O inquérito que investiga o caso, realizado pela delegacia de Valença, deve ficar pronto em um prazo de 30 dias. Nesta terça-feira (25), será realizada a missa de sétimo dia da morte da bióloga.

O ex-jogador Liedson foi interrogado pela Polícia Civil da Bahia nesta segunda-feira (24). Ele foi ouvido na sede da 5ª Coordenadoria de Polícia do Interior (Coorpin), em Valença, cinco dias após ter o interrogatório adiado por estar abalado por conta do ocorrido.

O acidente ocorreu no dia 18 de julho. De acordo com o delegado José Raimundo, titular da unidade, o ex-jogador contou que passava na rodovia por volta das 10h quando foi surpreendido pela vítima, que segundo ele saiu de uma estrada vicinal e entrou na principal rapidamente.

"Liedson disse que avistou ela tentando entrar na rodovia, mas como sabia que a passagem era preferencial para ele, não parou. Ele disse que confiou que ela esperaria ele passar, mas ela não parou. Ele disse que ela entrou rapidamente na pista e que ele tentou tirar o carro dele da direção do dela, mas não conseguiu e bateu na lateral do carro. Ele disse que ele estava a 90 km/h", contou o delegado.

Segundo José Raimundo, Liedson contou ainda que, após o acidente, saiu do carro onde viajava com a mulher e prestou socorro à vítima e ao marido dela.

Segundo o delegado, o ex-jogador foi liberado após o interrogatório, e os relatos dele foram anexados ao inquérito policial que apura o acidente. Segundo o delegado, o marido da vítima também seria interrogado nesta segunda-feira, mas não conseguiu, porque ainda está abalado. Outras testemunhas devem ser ouvidas ainda nesta semana. Liedson pode ser indiciado por homicídio culposo, quando não há intenção de matar. *G1

Nenhum comentário:

Postar um comentário