quinta-feira, 17 de agosto de 2017

Bahia: Índio acusado de matar segurança de fazenda em 2002 é absolvido em júri popular

O índio pataxó Joel Braz dos Santos, de 56 anos, acusado de matar a tiros o segurança de uma fazenda no sul da Bahia foi absolvido nesta quarta-feira (16), após ser julgado no salão da Câmara de Vereadores de Eunápolis. O julgamento durou mais de 8 horas. Para o advogado de defesa, Luciano Porto, a absolvição representou o fim de uma angústia de um processo penal tão longo. O MPF informou que vai recorrer da decisão. Os procuradores do Ministério Público Federal, que atuaram na acusação, entendem que absolvição do índio pataxó é um equívoco, pois ele teria matado o segurança em uma emboscada. 
Após a sentença, Joel Braz foi conduzido por lideranças indígenas a uma avenida em frente ao prédio da câmara, no bairro Dinah Borges, onde dezenas de índios de diferentes aldeias da região faziam rituais de agradecimento. O crime ocorreu há cerca de 15 anos, em dezembro de 2002, às margens da BR-498, rodovia que liga a BR-101, em Itamaraju, ao Parque Nacional de Monte Pascoal, em Porto Seguro. O pataxó é apontado como autor da morte de José Geraldo Moraes, assassinado com dois tiros. Joel estava em prisão domiciliar desde 2009. Na época do crime, o índio ocupava a função de cacique e era líder de um movimento indígena em uma aldeia da região. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário