quarta-feira, 9 de agosto de 2017

Eunápolis: comandante da 7ª CIPM critica atitude de quem polemizou ação policial nas redes sociais

O vídeo mostra uma abordagem a um motociclista, preso por porte ilegal de armas 
Um vídeo, que viralizou nas redes sociais, tem causado muita polêmica, uma vez que envolve policiais militares da 7ª Companhia Independente de Polícia de Militar de Eunápolis. As imagens foram feitas por um radialista, que postou em seu perfil no Facebook. O vídeo mostra uma ação policial, realizada no início do mês, na Avenida Duque de Caixas, centro de Eunápolis, onde os soldados abordaram um homem, preso logo depois, em flagrante, pois estava armado com um revólver calibre 38.

O comandante da 7ª CIPM, major Florisvaldo Ribeiro, em nota à imprensa, esclareceu a situação e criticou duramente a atitude de internautas, que teriam insinuado, em suas postagens, que a prisão foi arbitrária.  Segundo Ribeiro, uma das motivações de tantas distorções é que a ação começou a ser filmada somente depois da apreensão da arma, levantando dúvidas e questionamentos.

O major explicou que, como ocorre nas ações policiais, ao apreender a arma de fogo em posse de um suspeito, o policial responsável pela abordagem pode entregá-la ao colega da guarnição ou colocá-la no coldre. Esta última opção, por sinal, foi a escolhida pelo PM que participou da operação.

“Procedimento mais usado”
Num outro vídeo, o comando geral da Polícia Militar da Bahia, por meio do capitão Aldrin, reforçou a explicação do major e afirmou que o procedimento adotado pelos policiais da 7ª CIPM é o mais usado, inclusive em outros estados.

O capitão informou que especialistas em segurança orientam os policiais a não colocarem armas apreendidas no solo, pois pode representar um risco, principalmente para a própria equipe policial. E ele recorda um caso em que o comparsa do bandido, aproveitando que a arma estava no chão, pegou e atirou em um dos soldados. “Em outros casos, o próprio detido recuperou a arma e atingiu o policial”, contou.

A filmagem
Em entrevista ao Radar64, o radialista Elenaldo Costa relatou que a ideia de gravar surgiu após ele ouvir, do seu local de trabalho, os policiais mandando uma pessoa colocar as mãos na cabeça. Ele estava em uma sala no prédio da Ativa FM se aproximou da janela. A abordagem já tinha começado, quando o comunicador começou a filmar a ação.

Elenaldo, no entanto, negou que tenha escrito o texto, anexado ao vídeo, e que foi, na verdade, o estopim de toda essa polêmica. Tal post, que circula amplamente no WhatsApp, denuncia que os policiais “plantaram” a arma para incriminar o motociclista abordado. O radialista garantiu que em sua legenda na postagem do Facebook, ele descreveu somente a apreensão da arma, durante uma abordagem policial.


Acusado confessa que andava armado porque é ameaçado de morte 

Na delegacia, o motociclista Jackson Alves Moura, de 25 anos, preso nesta ação, por porte ilegal de arma de fogo, confessou que anda armado desde o ano passado, quando um irmão dele foi executado na porta de casa.

Jackson contou, inclusive, que passou a ser ameaçado após a morte do irmão. O motociclista pagou uma fiança estipulada em três salários mínimos e foi liberado no mesmo dia, segundo a PM.

Uma sindicância foi aberta pela 7ª CIPM para apurar a conduta dos policiais. A PM investiga, ainda, o caso e tenta descobrir quem escreveu o texto anexo ao vídeo. E adverte: quem ajuda a compartilhar conteúdos falsos na internet também pode ser processado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário