sexta-feira, 4 de agosto de 2017

Nota de repúdio ao assassinato da transexual Sheyla Bulamark em Itabuna

Por meio desta nota, o Grupo HUMANUS LGBTI Itabuna-Bahia, manifesta total REPÚDIO ao ato criminoso de morte da transexual Sheyla Bulamark na madrugada do dia 02 de Agosto de 2017. Sheyla, foi cruelmente assassinada a tiros próximo ao Posto Flecha em Itabuna-Ba. Além de ser um ato de intolerância e crueldade, envolve grave discriminação e preconceito à pessoa física frente à sua identidade de gênero. 

É preciso deixar claro que Sheyla, segundo o Decreto Nº 8.727 de 28 de Abril de 2016 que dispõe “sobre o uso do nome social e o reconhecimento da identidade de gênero de pessoas travestis e transexuais no âmbito da administração pública federal direta, autárquica e fundacional”, somado ao Decreto Estadual na Bahia Nº 17.523 de 23 de Março de 2017 que também dispõe “sobre o uso do nome social e o reconhecimento da identidade de gênero de pessoas travestis e transexuais no âmbito da Administração Pública Estadual direta, autárquica e fundacional”. 

Portanto, a cidadã possuía total direito de respeito à sua identidade de gênero bem como sua integridade física e mental, isto, somado ao que é garantido aos brasileiros e brasileiras segundo artigo 5º da Constituição Federal de 1988, onde “todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade”. 

Portanto, frente ao alto índice de assassinatos de pessoas LGBTI na cidade de Itabuna e cidades circunvizinhas, destacando que este é o 8º assassinato de pessoas LGBTI neste ano de 2017 na localidade aqui já citada, o Grupo Humanos manifesta TOTAL INDIGNAÇÃO quanto ao assassinato de Sheyla Bulamark. Afinal, a realidade nas relações interpessoais no Brasil com pessoas LGBTI é de intolerância, ignorância e intensos tipos de violências no dia a dia.

 
Isto mostra que a aplicabilidade das leis em nosso país é frágil e grande parte da população brasileira está de fato desprotegida. Esta realidade cruel e desumana deve ser extinta do convívio social. Portanto, REGISTRAMOS AQUI O PEDIDO DE JUSTIÇA PARA COM ESTE CRIME. Que o culpado seja encontrado e julgado perante a lei. 

Para isto, CONTAMOS COM O EMPENHO E A COLABORAÇÃO DA POLÍCIA E DEMAIS PROFISSIONAIS DA JUSTIÇA da cidade de Itabuna e do estado da Bahia. Frente ao exposto, cabe a GARANTIA por lei, o RESPEITO à Identidade de gênero de pessoas trans, portanto, SOLICITAMOS RETIFICAÇÕES E NOVAS NOTAS PÚBLICAS REFERINDO-SE À TRANSEXUAL SHEYLA BULAMARK PELA IDENTIDADE DE GÊNERO À QUAL A VÍTIMA SE RECONHECIA E TINHA TOTAL RECONHECIMENETO SOCIAL, COMO MULHER. Desse modo, é inadequado referir-se à vítima em notas públicas pelo nome civil e sexo masculino, POIS, É ALGO no mínimo ofensivo e fomenta a discriminação bem como diversos tipos de violências para pessoas LGBTI. 

Para complementar as orientações já expostas, solicitamos a sensibilidade do uso de imagens que não remeta erotismo à vítima em notas públicas. Por fim, o Grupo Humanus expressa apoio, acolhimento e sensibilização para com os familiares, amigos e amigas da vítima. Cordialmente, Grupo Humanus LGBTI Itabuna-Ba. 04 de Agosto de 2017.

Nenhum comentário:

Postar um comentário