sábado, 23 de setembro de 2017

Baleia que encalhou em Salvador tem 14 m e 40 toneladas; trabalho de remoção de carcaça pode durar até 3 dias

A baleia que encalhou na região da Cidade Baixa, em Salvador, mede 14 metros de cumprimento e pesa cerca de 40 toneladas. A previsão é de que o trabalho de remoção da carcaça se estenda durante todo o final de semana e seja concluído em até três dias, porque o animal está preso a pedras e os técnicos responsáveis também dependem do movimento da maré para realizar o procedimento. A baleia encalhou na quinta-feira (21), na praia de Pedra Furada, cerca de 50 metros da faixa de areia.

O animal é uma jubarte adulta. A bióloga Luena Fernandes, do Peojeto Baleia Jubarte, que coleta dados sobre os mamíferos no país, diz que a preocupação é com a saúde de moradores da região, já que o contato com a baleia pode trazer doenças, além de atrair predadores como tubarões para a praia. Na manhã desta sexta, populares cercaram o corpo da baleia para acompanhar parte do trabalho de remoção.

"Ela já está em estado de decomposição e, com o passar das horas, o cheiro vai piorar e vai chegar a um ponto que vai ficar insuportável. Por isso que a gente está trabalhando contra o tempo para tentar fazer essa remoção o mais rápido possível, lembrando da segurança de todos os envolvidos nesse processo", destacou a especialista.

O trabalho de remoção do corpo do animal é feito pela Empresa de Limpeza Urbana de Salvador (Limpurb). De acordo com o órgão, o serviço de retirada da baleia começou por volta das 9h30 desta sexta, quando a maré ficou baixa e possibilitou o acesso da equipe ao animal. Com a alta da maré, no entanto, o trabalho foi suspenso e deve ser retomado neste sábado (23).

Segundo a Limpurb, a baleia jubarte será desossada, e todo o material recolhido será encaminhado para o Aterro Metropolitano da Capital (AMC), localizado no CIA. As causas da morte do animal serão estudadas pelo Projeto Baleia Jubarte.

Nenhum comentário:

Postar um comentário