quarta-feira, 7 de agosto de 2019

Delegado de Camacan investiga médico e hospital por homicídio

O delegado Francesco Denis da Silva Santana, titular da Delegacia Territorial de Camacan, acaba de instaurar o inquérito policial, contra a Fundação Hospitalar de Camacan, que apura, inicialmente, o caso da adolescente Pâmela Costa Gomes, como homicídio culposo, (quando não há intenção de matar). 

Santana, em entrevista ao site O Tempo Jornalismo, destacou que o crime se configura, e se agrava, principalmente, para a unidade de saúde e para o médico que atendeu a vítima, picada por uma cobra Jararaca no dia 22 de Julho e, depois de receber os primeiros socorros na Fundação Hospitalar, recebeu alta e foi liberada para se recuperar em casa. Disse ainda que Pamela foi periciada no DPT de Itabuna e que agora vai ouvir os depoimentos de todas as pessoas envolvidas (autor e testemunhas). 

O delegado disse que o laudo médico é a principal prova, além do prontuário que também será solicitado ao hospital. Sobre o médico, o delegado disse que “ele é perito em medicina, e não deveria ter negligenciado, quanto ao uso do procedimento obrigatório, em caso de mordidas de cobras. Tudo vai se basear nos depoimentos e nas provas que virão no Laudo de Necropsia”. O presidente da Fundação Hospitalar de Camacan, Mardson Silva, disse que a paciente Pamela Costa Gomes, deu entrada na instituição no dia 22 de julho, às 18h30, com sintomas de picada de anfíbio, e teria recebido todo o atendimento básico necessário para o caso. 

Disse também que a instituição solicitou o soro antiofídico ao município, que tem total responsabilidade de armazenamento do mesmo. Na ausência do soro, houve o acionamento de transporte para transferência e uma negociação entre familiares e responsável médico para manter em observação na paciente na instituição. Pamela teria recebido alta hospitalar às 22 horas, "após ausência de manifestações sistêmicas, apresentando apenas edema no membro inferior esquerdo. Ao tempo em que lamentamos o ocorrido, nós colocamos à disposição para sanar possíveis dúvidas", concluiu.

9 comentários:

  1. Difícil socorrer alguém vítima de picada de cobra da forma correta, o povo sabe nem q cobra é um réptil, disse q é um anfíbio , se brincar nem sabia exatamente o tipo de soro adequado pra essa situação,..🤦🙄🤣

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Essa da picada de anfíbios é complicado mesmo.

      Excluir
    2. Não se trata do povo seu/sua arrogante. Quem liberou foi o médico dizendo que era só um arranhão.
      Tinha que providenciar o transporte imediatamente.

      Excluir
  2. Bem cobra é réptil e não anfíbio presta atençao editor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amigo cobra é ofídio. Não anfíbio nem réptil.

      Excluir
    2. É amiguinho passou batido nas aulas de ciências do prezinho hein? Ofidios já é outro assunto.Cobra é réptil sim.

      Excluir
  3. Lendo alguns comentários, entende-se porque o povo brasileiro é desprezado pelos marginais apelidados de políticos. Mas, este é o exemplo típico do tratamento dispensado pelos "políticos" ao povão ignorante, covarde, estúpido e miserável. Houve relatos de outras pessoas que no ano passado foram picadas cobras e, desde aquela época faltava soro antiofídico no hospital do município de Camacã. Existe alguma lógica nas desculpas enganosas dos administradores que não denotem apenas uma razão clara e insofismável: desprezo pela vida dos miseráveis! O resto é a mais deslavada mentira. asta que lhes perguntemos; e se fosse uma filha do prefeito, de algum vereador ou secretário, o procedimento seria o mesmo? Pergunte-lhes povo camacãense! Quem sabe, algum dia, este povo consiga abrir os olhos e a mente e enxergar que precisa buscar seus direitos a qualquer custo. Pesquisem o fato histórico ocorrido em 14 de ulho de 1789.

    ResponderExcluir
  4. Descaso mesmo, tem que processar o município e os responsáveis por esta falta de responsabilidade.

    ResponderExcluir
  5. enquanto isso o vagabundo do oziel da ambulância não faz nada..... lamentável isso viu

    ResponderExcluir