terça-feira, 12 de novembro de 2019

Willian lamenta racismo contra brasileiros na Ucrânia e cobra entidades

O meia-atacante Willian lamentou nesta segunda-feira o episódio racista do qual foram vítimas os compatriotas Taison e Dentinho na Ucrânia. O jogador da seleção brasileira, que atuou em solo ucraniano durante seis anos, cobrou punições das entidades ligadas ao futebol. 

"É mais um episódio triste, que acontece no futebol. Nós, jogadores, o que está ao nosso alcance a gente procura fazer para que isso acabe. Mas a responsabilidade maior é das entidades, das federações. Eles têm que se pronunciar nessas situações. Teve essa situação ontem e a federação ucraniana não se pronunciou", disse Willian, em Abu Dabi, antes de mais uma série de dois amistosos da seleção brasileira.

O episódio de racismo aconteceu no domingo, quando os dois brasileiros defendiam o Shakhtar Donetsk no clássico local contra o Dínamo de Kiev, pelo Campeonato Ucraniano. Taison e Dentinho deixaram o gramado chorando depois das ofensas racistas vindas da arquibancada, no jogo disputado na cidade de Kharkiv. Até agora somente a liga que organiza o campeonato se pronunciou sobre o caso ao afirmar que vai abrir investigação sobre o episódio.

Willian, que defendeu o próprio Shakhtar, lembrou que passou por situação parecida quando chegou ao clube ucraniano, em 2007. "Quando eu saí do Corinthians e fui para a Ucrânia, com 18 para 19 anos, passei por isso uma vez, não me lembro o jogo. É claro que a gente fica triste pela situação, isso já faz uns dez, nove anos. A gente espera que isso possa mudar, vemos isso acontecendo em dias como hoje, não só no futebol, mas em outras áreas também", declarou o jogador do Chelsea.

Willian foi o primeiro jogador da seleção a conceder entrevista coletiva em Abu Dabi, nos Emirados Árabes Unidos. Na sexta-feira, o adversário do primeiro amistoso será a Argentina, em Riad, na Arábia Saudita. E, na terça da próxima semana, o rival será a Coreia do Sul, em Abu Dabi.

Questionado sobre o clássico com a Argentina, Willian fez elogios a Lionel Messi, que deverá estar em campo na sexta. "Messi é um grande jogador, incomparável, o melhor jogador do mundo", destacou o meia-atacante. "A atenção nele é sempre especial, sabemos o que tem que fazer, principalmente contra o Messi, que é encurtar espaços. Não vamos fazer marcação individual, mas o jogador que estiver no setor tem que tirar o espaço dele", comentou.

Para este tradicional confronto, o Brasil não terá Neymar, que ficou de fora da lista de convocados do técnico Tite. "Neymar sempre é uma referência para a gente, para o futebol brasileiro, é um grande jogador, todo mundo sabe da qualidade dele. A seleção também tem jogadores para suprir a ausência dele, jogadores de qualidade. A força do grupo é o que mais conta", ponderou Willian.

5 comentários:

  1. Xenofobia tbm é crime e os tecnicos brasileiros estao cometendo o tempo todo com jorge jesus do flamengo e ngm se posiciona !

    ResponderExcluir
  2. Nos campeonatos interescolares a gente se xingava o tempo todo: se era preto, se usava óculos, se era gordo, era magro, se era de outra escola, de outra cidade. Não era pela condição específica, mas sim porque erra algo passional, esporte de contato, torcida, rivalidade. É normal xingar: se fosse um gringo aqui no Brasil poderia ser chamado de "gazo" "macaco branco" "Gringo FDP" etc. Já pensou se os árbitros de futebol começassem a achar ruim porque a torcida cantou: juiz ladrão... Mi Mi Mi

    ResponderExcluir
  3. Vai limpar bosta de cachorro então.

    ResponderExcluir
  4. São uns caras que tem poder,influência no país de origem e não cobram o que tá acontecendo com o país,a miséria,bagunça falta de segurança e muito mais ......kkkkkk é foda namoral!

    ResponderExcluir