terça-feira, 11 de fevereiro de 2020

Cenário de fuga e morte de miliciano traz questões sobre apoios e ação policial, diz jornal

O esconderijo do ex-capitão do Bope do Rio Adriano Magalhães da Nóbrega, na cidade de Esplanada (BA), expõe uma série de dúvidas sobre a rede que teria ajudado o miliciano e sobre a própria versão oficial da morte dele, de acordo com reportagem da Folha. Ele estava inicialmente abrigado em uma fazenda que abriga um parque de vaquejada e depois fugiu em um carro, por 8 km, até um sítio. 

Apesar de a rota de fuga indicar que Adriano recebeu ajuda, os donos dos imóveis, o pecuarista Leandro Abreu Guimarães e o vereador do PSL Gilsinho de Dedé, negam vínculo com ele. O secretário de Segurança Pública da Bahia, Maurício Barbosa, informou que um inquérito da Corregedoria da Polícia Militar vai apurar as circunstâncias da morte do miliciano. Nesta segunda-feira (10) moradores da região relataram à reportagem que a ação foi rápida, com barulho de tiros por pouco tempo. Foi encontrado pela Folha apenas uma marca de bala dentro da casa, em uma janela de madeira. 

Leandro Abreu Guimarães, dono da fazenda onde o miliciano estava, também foi preso durante a operação sob acusação de porte ilegal de armas. Em depoimento, ele confirmou que Adriano usou sua propriedade como seu penúltimo esconderijo. Leandro conta que o ex-capitão chegou à região de Esplanada no final do ano de 2019, dizendo buscava fazendas para comprar. Leandro e Adriano já eram conhecidos do circuito de vaquejadas, segundo a versão do pecuarista. O pecuarista disse à polícia que conhecia Adriano como um criador de cavalos e alegou que não sabia que ele era um foragido da Justiça e envolvido com crimes.

Segundo Leandro, Adriano aparentava nervosismo na véspera de sua morte e, sob ameaças, o ordenou que fosse levado ao sítio do vereador Gilsinho de Dedé, um dos que havia sido alvo do suposto interesse de compra do ex-policial, na noite de sábado (08). Segundo a reportagem, o cenário da casa no sítio indica certo nível de organização de Adriano ao se dirigir ao local. Na mesa da cozinha da casa, havia uma garrafa térmica com café e pães "relativamente frescos". Em um dos quartos havia um colchão e o outro servia como um depósito de sal para animais. Vizinhos do imóvel dizem que não viram nenhuma movimentação estranha no local na noite de sábado e confirmam que a casa do sítio era pouco visitada pelo vereador.

9 comentários:

  1. É só partir das premissas, fazenda de um Vereador do PSL esse com certeza não o conhecia, mais a legenda do PSL com certeza sim, queima de Arquivo, tanto o Bozo como seus filhos estão ligado só olhar o histórico dele com a família bozo, agora gritem no psl não tem corrupção a mamata acabou.ainda vem gente aqui defender dizer que não.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. desde a primeira notícia do caso mariele que alguns marginais assassinos de sangue, já mugiam aqui que ela merecia morrer pq era negra e lésbica, no entanto todos já sabiam da criança ao velho da pulga ao elefante, que o bolsonaro, chefe e dono de milícia, comamdante supremo do crime organizado do rio de janeiro e agora do país, era o mandante, seus filhos o vagabundo do flávio e o viado do carluxo e demais menbro da quadrilha do clã são apenas soldado das milícias. nada de novidade portanto, se um deles ao menos prestasse não teriam o apoio maciço das seitas ebvangélicas com seus donos edir macedo, r soares , valdemiro santiago, feliciano etc...

      Excluir
  2. a foto acima é o perfil de jair "messias" bolsonaro. e representa muito bem a queima de arquivo. só que todos sempre souberam a verdade.

    ResponderExcluir
  3. Justiça seja feita. De fato,fizeram uma porcaria de filme sobre o maior ladrão da história da humanidade,a começar pelo título: Lulaladrão o filho do Brasil. Ora, tratando-se de um personagem ímpar na história do crime, especialmente, por envolver os familiares do personagem central, todos extremamente qualificados e competentes nas artes do roubo, da mentira e do cinismo, e tendo como coadjuvantes vários comparsas integrantes da diabólica quadrilha petralha, entendemos que os criminosos petralhas tem razão em queixarem-se de discriminação. Se fosse realizado um filme contando a verdadeiro história do gatuno, de seus familiares, da quadrilha petralha e da "perseguição" incansável movida pelo grande herói nacional, o paladino da lei e justiceiro, Sérgio Moro, certamente, o filme teria sido vencedor do prêmio maior do cinema. Portanto, aqui vai o meu protesto: Que faça-se justiça aos quadrilheiros petralhas, Lulaladrão o cornão, maior ladrão do planeta Terra em todos os tempos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mas a matéria é sobre o PSL e uma possível queima de arquivo, vai tomar remédio maluco!

      Povo esquizofrênico q ver pt e lula em tudo...

      Excluir
    2. olha só o rosário sem cabimento de um imbecil doente mental bolsonarista esse verme vagabundo das 17,23, que absurdo esse jumento, anta parida! doeu no c.. foi?

      Excluir
  4. Tem Que matar os petralhas também.

    ResponderExcluir
  5. Oxe milícia agora? E o que o partido do demônio fez matando até os próprios companheiros esqueceram foi? Ou Celso Daniel foi o bolso que mandou matar também? O Brasil se livrou dessa quadrilha do inferno que Só enriqueceu ele é seus filhos. Pega visão cambada de mula.

    ResponderExcluir
  6. Esse jornal é da rede esgoto de televisão a folha, eles querem desvirtuar a ação da polícia, esses jornais de esquerda é uma miséria nesse país.. xau Globo lixo de merda!

    ResponderExcluir