quarta-feira, 23 de setembro de 2020

Operação da Polícia Federal contra fraudes no INSS cumpre mandado de afastamento de servidor em Salvador

Polícia Federal cumpre mandado de afastamento de servidor em operação contra fraudes no INSS em Salvador — Foto: Divulgação/PF

A Polícia Federal (PF) deflagrou uma operação contra fraudes no Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) na manhã desta quarta-feira (23), em Salvador. Um mandado de afastamento contra um servidor está sendo cumprido na capital baiana.

Além disso, a Justiça também determinou o bloqueio e sequestro de bens e valores do servidor e de outros investigados. Seis mandados de busca e apreensão também estão sendo cumpridos – cinco deles em Salvador e outro em Catu, cidade que fica na região metropolitana.

Os mandados de busca da operação, denominada Contrassenha, foram cumpridos em um edifício empresarial na Avenida Luís Viana Filho, também conhecida como Avenida Paralela, além de um escritório de contabilidade no bairro do Dois de Julho e em um condomínio em Jaguaribe.

A PF estima que o prejuízo das fraudes aos cofres púbicos é de mais de R$ 7,5 milhões, relativos a 75 benefícios fraudados. Segundo a PF, esse servidor agia na agência das Mercês, que fica na Avenida Sete de Setembro. Ele fraudava processos de aposentadoria desde 2017.

As investigações apontaram indícios de que ele aproveitava a fragilidade do sistema de cálculo de contribuições individuais, para lançar valores bem abaixo do efetivamente devido, o que permitia o pagamento de quantias irrisórias para o cálculo de tempo de contribuição. O suspeito também alterava ou incluía vínculos empregatícios fictícios com a mesma finalidade.

Ainda com base na investigação, a PF aponta que o servidor do INSS tinha o auxílio de terceiros na captação de clientes para as fraudes. Para adulterar o processo, ele recebia valores pagos pelos beneficiários do esquema, por meio de transferências e depósitos em contas bancárias gerenciadas por ele.

A Polícia Federal detalhou que a movimentação bancária do investigado indica que ele recebeu transferências e depósitos, com um valor de mais de R$ 1,5 milhão, desde 2017. Ainda segundo a PF, o número de benefícios fraudados pode aumentar com o avanço das investigações. As informações são do G1

6 comentários:

  1. A POLÍCIA FEDERAL TEM QUE IR TAMBÉM PRA CIDADE DE FLORESTA AZUL E DESCOBRIR QUEM É O RESPONSÁVEL PELOS FUNCIONÁRIOS CONTRATADOS DA PREFEITURA QUE ESTÃO RECEBENDO O AUXÍLIO EMERGENCIAL DO GOVERNO FEDERAL.
    Enquanto isso, quem precisa tá PASSANDO FOME.

    ResponderExcluir
  2. O que não nos falta é trabalhadores ladroes! Em todos os setores e seguimentos, esse tipo ai são os piores pois são empregados públicos, e Federais. Atrasam as nossas vidas, de varias maneiras. São uma minoria, mais o silêncio dos honestos é ensurdecedor, que seja a confundir com a cumplicidade!

    ResponderExcluir
  3. VENHA PRA ITABUNA TBM.

    ResponderExcluir
  4. Quando vim pra itabuna 3 carro não da não tem que ser 3 ônibus que e pra levar o prefeito os veriador os Civil os guardinha relento os pm moral da estoria não vai ficar um iluminou

    ResponderExcluir
  5. Coitado da população

    ResponderExcluir
  6. Vc que fica aí levando o povo para história morando em área nobre prédio de luxo em itabuna cuidado viu o povo que vc estar enrolando vai lhe denúncia.

    ResponderExcluir