segunda-feira, 5 de outubro de 2020

Braskem e TIM lançam programas de estágio só para negros; há vagas na Bahia

A Braskem e a TIM seguiram os passos da Magazine Luiza e a Bayer e lançaram programas trainees voltados exclusivamente para negros. As iniciativas buscam incentivar a diversidade nos quadros de colaboradores das empresas. Vagas estão abertas na Bahia.

O Programa de Estágio da Braskem tirou a exigência do inglês em 40% das vagas. A empresa acredita que a obrigatoriedade do segundo idioma acaba sendo um filtro que dificultava a diversidade e inclusão nesse processo seletivo, que é a principal porta de entrada para a empresa. A companhia manteve ainda parcerias com a Cia de Talentos, a consultoria Mais Diversidade e com coletivos negros de universidades para realizar inciativas direcionadas à atração, desenvolvimento e inclusão de grupos historicamente minorizados pela sociedade.

Já a TIM lançou recentemente uma proposta programa de estágio totalmente inclusivo, que será anunciado ainda este ano, com foco e metas de contratação de estudantes negros e negras, pessoas LGBTI+ e pessoas acima de 45 anos.

“A proposta é, não somente devemos valorizar essa riqueza, mas sobretudo buscarmos o equilíbrio social, que é a base da evolução de uma sociedade. Neste sentido, o mundo empresarial pode contribuir muito, não somente com políticas internas, mas também estimulando novas iniciativas e a reflexão na sociedade”, diz a vice presidente de Recursos Humanos da TIM, Maria Antonietta Russo ao Correio.

15 comentários:

  1. Iço é indeologia comunista de lula.
    Vou voutar emqualquer candidato que defende o noço presindente Bolsonaro beça eleição deçe ano para acabar com Eça bagunsa que está na noça linda Bahia.
    Temos que sauvar noça terra, noço estado e diser não ao comunismo de rui costas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. impressionante a chacina cometida com o português... pqp... kkkkkkkk

      Excluir
  2. Isso sim preconceito.

    ResponderExcluir
  3. Isso se chama segregação racial, a partir do momento que se coloca regras veladas entre raça credo ou cor estimulando uma certa divisão, se denota um grande preconceito.

    ResponderExcluir
  4. O racismo começa dessa forma, acho que vou encerrar o meu contrato com a Tim, bando de racistas.

    ResponderExcluir
  5. Coitado dos brancos kkk

    ResponderExcluir
  6. Essas empresas lacradoras deveriam abrir mão do dinheiro vindo dos clientes brancos também...

    ResponderExcluir
  7. É dessa maneira que querem banir o racismo?
    O negro que se respeita e é competente não precisa passar por essa humilhação.

    ResponderExcluir
  8. DESCULPEM A FALTA DE CONHECIMENTO.MAS, ISSO SE CONFIGURA PRECONCEITO??

    ResponderExcluir
  9. COMPLOCADO! E DEPOIS ELES VÊM DIZER QUE SÓ O NEGRO É EXCLUÍDO. PURA HIPOCRISIA.

    ResponderExcluir
  10. Interessante, falam em diversidade, mas segundo o ultimo levantamento feito os brancos já sao minoria na população. Ora, se e para incluir as minorias, entao essa lógica ja nao se aplica mais e alguma coisa no discurso desse pessoal ta errado. Alias a meritocracia que se dane. No final, so sei que ninguém corrige um erro com outro, e o branco pobre que nunca teve oportunidade na vida? como fica? cade vez mais com nojo desse politicamente correto.

    ResponderExcluir
  11. ISSO SIM É VERGONHOSO E CABE UMA INTERVENÇÃO JUDICIAL E MULTA PESADA SOBRE ESSAS DUAS EMPRESAS ESQUEDOPATAS !!!!

    ResponderExcluir
  12. Não entendo esse povo, querem acabar com o racismo sendo racistas. E pensar que muitas dessas idéias idiotas, como as cotas raciais, vem dos próprios negros. Depois falam que os brancos são racistas. Me perdoe se ofendi alguém ao chamá-lo de negro. Pois com esse politicamente correto, nem a cor da pessoa você pode falar mais. Não sei se é negro ou preto. Daqui a pouco vai começar a chamar os brancos de claros. Me ajude viu.

    ResponderExcluir