quarta-feira, 10 de fevereiro de 2021

Justiça mantém condenações de empresário e ex-secretários acusados de fraudes em licitações na cidade de Ilhéus

 Jamil Ocké (à esquerda) junto com Kácio Clay (à direita), foram presos em Ilhéus em operação que apurava fraudes em licitações — Foto: Imagem/TV Globo

O Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA) manteve, nesta terça-feira (9), a condenação do empresário Enoch Andrade Silva e dos ex-secretários de Desenvolvimento Social de Ilhéus, Kácio Clay Silva Brandão e Jamil Chagouri Ocké - que foi eleito vereador.

Eles foram presos em 2017 durante a “Operação Citrus”, deflagrada pelo Ministério Público do Estado da Bahia (MP-BA) e que apura fraudes em licitações. Entretanto, a ação não detalhou se em algum momento eles foram soltos para responderem em liberdade.

Segundo o Ministério Público da Bahia, as penas de condenação dos denunciados foram mantidas por unanimidade pela 2ª Turma da 1ª Câmara Criminal do TJ-BA, acatando o voto proferido no último dia 15 de dezembro pelo relator do processo, desembargador Abelardo da Mata. Não há detalhes de se os acusados recorreram da decisão.

Foi mantida integralmente a sentença de primeira instância, que condenou o empresário Enoch Andrade Silva a 11 anos e 11 meses de prisão e os ex-secretários de Desenvolvimento Social do Município de Ilhéus (Sedes), Jamil Chagouri Ocké e Kácio Clay Silva Brandão, a nove anos de reclusão por crimes de fraudes em licitações.


Operação

Ocké e Brandão foram presos durante a operação do MP, em março de 2017. Eles tiveram a prisão preventiva decretada por suspeita de envolvimento no esquema. Os dois e outros sete são investigados pelas fraudes em licitações de compra de materiais de escritório e alimentos para a prefeitura de Ilhéus, entre 2009 e 2016.

Por causadas fraudes, escolas municipais receberam, no ano passado, carnes vencidas desde 2014 que seriam utilizadas para merenda escolar. O alimento, no entanto, não chegou a ser distribuído para as crianças porque o Ministério Público da Bahia descobriu a irregularidade.

Enquanto o grupo fraudava licitações e superfaturava contratos municipais, escolas de Ilhéus permaneciam com problemas de infraestrutura e alunos sem alimentação.

Na época, a prefeitura de Ilhéus informou, em nota, que a operação do MP não tem relação com a atual administração. De acordo com a gestão do município, os mandados de busca e apreensão são referentes ao período de gestões anteriores, entre 2009 e 2016.

A Câmara dos Vereadores também emitiu uma nota e informou que colaborou com a operação prestando todas as informações necessárias. De acordo com o MP-BA, a investigação começou em 2015, mas o grupo já atuava desde 2009. G1

6 comentários:

  1. ESSAS FRAUDES TUDO NA ÉPOCA EM QUE O PARTIDO DAS TREVAS, O LARÁPIO CACHACEIRO E A DILMANTA ESTAVAM NO PODER, O RACINHA DESGRAÇADA PRA ROUBAR É ESSA CORJA VIU, ESSAS MISÉRIAS TEM QUE SER INSINERADAS DO MUNDO.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esses daí foram pra rua defender o golpe e apoiaram o Bozo.

      Excluir
  2. ESSE "FOI ELEITO VEREADOR", foi eleito agora, na última eleição ??????????????

    Se foi, que povo vagabundo esse de Ilhéu

    Ilhéu cidade lixo, que o Governador Rui Costa faz tudo.


    Que povinho sinistro e vagabundo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caminheiro das Trevas10 de fevereiro de 2021 12:05

      Pelos seus termos, já se sabe a sua índole, e de onde você procede. Você é excelência em pessoa!!!

      Excluir
  3. Que adianta, se estão todos soltos e ainda fazendo campanha!!!!!! E o chefe deles morando em Salvador, gente grande do PP e de Rui Costa.

    ResponderExcluir
  4. tomara que comece finalmente por aí! a justiça tome vergonha de cachorro e comece a trabalhar e deixar de ser um cabide de corrupção, o câncer do brasil!

    ResponderExcluir