quinta-feira, 29 de abril de 2021

Oficial da PM está foragido e tenente coronel tem afastamento prorrogado por 180 dias

Mais um militar suspeito de participar do rapto da testemunha Alex Cirino teve sua prisão decretada nesta quinta-feira, com base nas evidências colhidas na operação Cáfila, deflagrada ontem (28), pelo Grupo Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco). O oficial está foragido. O MP requereu novas medidas ostensivas, dentre elas a prisão temporária do oficial.

Além disso, foi deferida a renovação por mais 180 do afastamento do tenente coronel Carlos Humberto da Silva Moreira, no âmbito da Operação Alcateia, na qual foi alvo de buscas por suspeita de integrar uma organização criminosa voltada para prática de diversos crimes de homicídio, tráfico de drogas, organização criminosa, além de outros delitos típicos de atividade de milícia, como tortura e extorsão.

De acordo com a decisão judicial que determinou a prisão temporária do oficial suspeito de envolvimento no rapto de Alex Cirino, diálogos do suspeito comprovam que ele tinha ciência de todos os fatos ocorridos durante o rapto, havendo, portanto, indícios suficientes do seu provável envolvimento no crime.

Com a renovação por 180 dias do afastamento do tenente coronel Carlos Humberto da Silva Moreira, o oficial superior fica afastado da função pública durante esse período, com a proibição de ingressar nas dependências das estruturas da Polícia Militar do Estado da Bahia e de entrar em contato, por qualquer meio, com os membros da corporação e de utilização dos serviços da instituição militar. 

Seu afastamento se dá no âmbito da Operação Alcateia, deflagrada em outubro de 2020, e tem como objetivo garantir a integridade da instrução criminal, vez que restou evidenciado pelo MP que o réu utilizava-se do cargo público para praticar ou facilitar a prática dos ilícitos cometidos pela organização criminosa, dentre os quais estão homicídio, tráfico de drogas, além de outros delitos típicos de atividade de milícia, como tortura e extorsão.


6 comentários:

  1. Em que estado, cidade foi isso?

    ResponderExcluir
  2. Bahia
    Brasil
    América do sul

    ResponderExcluir
  3. Veja o que o progresso faz, que absurdo o valor agregado as benfeitorias, essas pessoas cultas não tem consciência em avaliação de preços, essas pessoas com esse valor não poderão adiquir imóvel nem a beira do mangue, nasceram e se criaram ali, aquilo ali é uma vila de antigos pescadores, hoje são seus descendentes.
    💰 Dinheiro público quando desviado, o valor é incalculável, mais para dar dignidade a pessoas, só merreca, ali naquele bairro, Nova Brasília em Ilhéus a que a nota se refere, teve um Sr que ao receber a desapropriação, infartou e morreu, imagine a cabeça das pessoas que estão a deixar seus lares, isto será um ferida aberta que jamais cicratiará. A ponte já está lá todos já estão a utilizar, deixa o povo, tem que ter cuidado isso pode até levar pessoas ao suicídio 😢, nem dar para pedir aos empresários de Ilhéus para ajudar, só tem quebrado com a pandemia.

    ResponderExcluir
  4. ??????????????¿????

    ResponderExcluir
  5. vergonha Polícial bandido é pior que o bandido.

    ResponderExcluir
  6. Bandidos aprovados pelo imetro

    ResponderExcluir