quinta-feira, 23 de dezembro de 2021

Mourão critica pressa de governadores ao falar sobre vacinação em crianças

O vice-presidente da República, o Gen. Hamilton Mourão (PRTB), criticou nesta quarta-feira (22) a liberação da aplicação das vacinas em crianças de 5 a 11 anos. Ele defendeu a consulta pública e afirmou que o governo precisa estar ‘100% calçado’.

“O governo está querendo tomar sua decisão. Existem alguns conflitos em relação a esse assunto e ele (governo) quer estar 100% calçado na hora de iniciar esse processo”, disse Mourão ao sair do Palácio do Planalto.

Além disso, ele recordou as negociações para compra da vacina russa, Sputnik V, que não foram finalizadas, e criticou a pressa dos governadores.

“Os governadores eles, lamentavelmente, às vezes atravessam o samba. Como foi aquela questão da compra daquela vacina russa (Sputnik V) que acabaram não comprando, não é? Então vamos aguardar. Isso aí vai ser feito de forma mais correta possível protegendo a população”, disse.

6 comentários:

  1. Trata-se de uma simulação de preocupação com os otários e o cumprimento de compromisso com os bandidos chineses. Alguém lembra-se dos milhões roubados em uma artimanha de compra de respiradores em loja de produtos de cannabis sativa chinesa?

    ResponderExcluir
  2. Esse topogigio é igual ao Bozo! Só fala merda

    ResponderExcluir
  3. Esses negacionistas deveriam, ficar isolados da população

    ResponderExcluir
  4. Falou o cientista Hamilton Jumentão. Onde que um maçom de grau elevado vai ser papagaio de pirata de um lunático... Infelizmente só esse Sr. que não se respeita e não respeita a ordem. Infelizmente e assim que acontece no Brasil.

    ResponderExcluir
  5. ESSES IDIOTAS QUE DEFENDEM URGÊNCIA PARA VACINAR CRIANÇAS DE 05 ANOS, OU NÃO TEM FILHOS DE 05 ANOS, OU SE TEM É FILHO DO VIZINHO. KKKKKKKKKK

    ResponderExcluir
  6. Isto que estão sendo aplicadas no povo são experimentos, não são vacinas pois não passaram da terceira fase e os resultados disto somente serão abertos em 2025. Utilizarem em crianças é uma temeridade,

    ResponderExcluir