sábado, 21 de maio de 2022

Reunião entre MP, Conjunto Penal de Itabuna e escolas anexas discute Educação para a Paz no contexto prisional

Educação no ambiente prisional como instrumento para inclusão social e para a cultura da paz. Com este tema orientador, foi realizada, na noite de quinta-feira (19), no salão da Loja Maçônica Areópago Itabunense, uma reunião ampliada, organizada pela 13ª Promotoria do Ministério Público Estadual, com participação do Conjunto Penal de Itabuna, Secretaria Municipal de Educação, e escolas públicas anexas – Adonias Filho (Estado), Lourival Oliveira (Município). Participaram ainda representantes da Vara de Execução Penal e advogados, além de convidados da sociedade civil.

A promotora Cleide Ramos apresentou dados da educação na unidade prisional, comemorando, principalmente, o número de matriculados este ano: 526, numa população de 902 reeducandos atualmente no CPI. “É um número muito bom, e temos mesmo que comemorar. E também lutar para nao perder, evitar a evasão”.

Ela defendeu que a escola deve ser um ambiente prazeroso, algo que não ocorre sequer nas instituições que funcionam extra-muros. “A escola não foi pensada para ser um espaço prazeroso, acolhedor e inclusivo. O que se vê é muita exclusão. Então, nosso desafio é transformar os espaços da educação, principalmente no Conjunto Penal”.

O diretor do CPI, Bel. Alecsandro Andrade Leal, observou que sua gestão está comprometida com a busca de soluções para os desafios que se apresentam na busca pela excelência nas ações de ressocialização. “Vamos lutar por mais vagas de trabalho remunerado na unidade, bem como, em parceria com a Secretaria Municipal da Educação, gestores das escolas anexas e a empresa Socializa, parceira na gestão da unidade. Entendemos que o objetivo principal é a reinserção social dos reeducandos, de forma sustentável”, declarou.



OAB

Na quarta-feira (18), em uma parceria com a subseção da OAB-Itabuna, foi autorizado o acesso dos advogados aos sites dos sistemas judiciários por meio da Rede Governo. “O acesso à internet é restrito apenas ao necessário para que os advogados desempenhem seu trabalho, a exemplo da plataforma da OAB, para consultas jurídicas, todas com controle da Rede de Governo”.

11 comentários:

  1. Para a bandidagem TUDO! E para os familiares das vítimas? FUMO E FOGO!

    ResponderExcluir
  2. Criminosos precisam é de trabalho para quitar as despesas e pau no lombo para purgar as crueldades. Quem precisa de tratamento VIP são os TRABALHADORES que produzem as riquezas e pagam as contas! Este é o princípio de um país justo.

    ResponderExcluir
  3. Na boa tem pessoas que me parece viver na lua ou em uma bolha, pura babaquice.

    ResponderExcluir
  4. Deus abencoe o prefeito e toda equipe

    ResponderExcluir
  5. Bom, o mala entra aviãozinho e sai gerente da boca.

    ResponderExcluir
  6. Brasil tem um povo que valoriza tudo de errado, descriminaliza bandido e quer condenar quem quer melhorar o país. Inversão de valores que nojo.

    ResponderExcluir
  7. Não vou comentar...

    ResponderExcluir
  8. Concordo que haja instrução educacional nos presídios mas não remunerados pq já comem dormem e bebem as custas dos que produzem muito pra o país. Preso já tem muitas regalias e as vítimas dessas carniças deveriam ser indenizada.

    ResponderExcluir
  9. ñ concordo muito com esse tipo de projeto para quem já está preso.Deveria era fazer isso sim com os que estão aqui fora precisando de uma oportunidade.muitos entram no mundo do crime por que ñ tem essa chance. dias desse vir um depoimento de um bandido com tornozeleira. reclamando que só tinha recebido 47 mil reais do auxilio recursão. ele queria 80 mil. é mole.agora quem está no lado de fora. tem dificuldade para estudar, arrumar um trabalho e até mesmo pra sobreviver tem dificuldades.

    ResponderExcluir
  10. Se à polícia matasse todos quê fosse prender esses ladrões engravatados iam viver de quê por isso eles defendem os marginais é muita gente comendo no mole as custas do suor do trabalhador

    ResponderExcluir
  11. Estes vagabundos dos institutos de proteção a bandidos deviram informar aos otários e vítimas dos criminosos o valor do auxílio-detenção e todos os benefícios que as leis facultam a eles. Enquanto um trabalhador aqui fora batalha oito horas por dia durante um mês para receber R$ 1.121,10 um criminoso apenado tem direito a quase 2.000,00 reais, fora as mordomias, como direito a assistência médico-hospital preferencial, assim como na educação, e quando é liberado graças à "justiça" sempre favorável, o bandido consegue emprego mais rápido que um pai de família honesto. Quem já viu alguém dos direitos desumanos se manifestando a favor de alguma vítima? Como afirma o famoso Molusco Ladrão Nove Garras, aquele do furico galhudo, "estou cansado de ver jovens inocentes sendo presos por ter roubado um celular", e o "secretário da insegurança da Bahia" defende a liberação das drogas.

    ResponderExcluir