sexta-feira, 22 de julho de 2022

Bahia registra maior n° de pessoas que mudaram nome e sexo em Cartório

A Bahia registrou nos primeiros seis meses de 2022 o maior número de pessoas que mudaram o nome e o sexo em Cartório de Registro Civil em um semestre desde a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF). A medida reconheceu o direito de transgêneros e transexuais de adequarem sua identidade percebida à identidade real em seus documentos de identificação.

Lei Federal permite que maiores de 18 anos realizem alteração de nome em cartórios; veja como fazer isso na Bahia

Segundo a Associação Nacional dos Registradores de Pessoas Naturais (Arpen-BA), no total, foram 61 alterações no período, 29,7% a mais que os 47 atos do ano passado e 15%. O número é maior que as 53 mudanças de 2019, ano em que foi possível contabilizar o primeiro semestre de atos.

Regulamentada pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ), a decisão prevê a possibilidade de alteração de nome e gênero sem necessidade de cirurgia de mudança de sexo e de autorização judicial. A medida permite a realização do ato diretamente em Cartórios de Registro Civil de todo o país, em procedimento que pode ser efetuado até no mesmo dia.

Para orientar os interessados em realizar a alteração, a Associação Nacional dos Registradores de Pessoas Naturais editou uma Cartilha Nacional sobre a Mudança de Nome e Gênero em Cartório, onde apresenta o passo a passo para o procedimento e os documentos exigidos pela norma nacional do CNJ.

“Muitas pessoas ainda tem dúvidas de como buscar a retificação, essa cartilha vem trazendo detalhadamente como fazer o procedimento diretamente nos Cartórios de Registro Civil da Bahia. A Arpen Brasil e a Arpen Bahia está sempre buscando trazer mais facilidade para a população LGBTIQAPN+”, destacou o presidente da Arpen-BA, Daniel Sampaio.

Processo

Para realizar o processo de alteração de gênero em nome nos Cartórios de Registro Civil é necessário a apresentação de:

Todos os documentos pessoais;

Comprovante de endereço;

Certidões dos distribuidores cíveis, criminais estaduais e federais do local de residência dos últimos cinco anos;

Certidões de execução criminal estadual e federal, dos Tabelionatos de Protesto e da Justiça do Trabalho.

Na sequência, o oficial de registro deve realizar uma entrevista com o (a) interessado. Eventuais apontamentos nas certidões não impedem a realização do ato, cabendo ao Cartório de Registro Civil comunicar o órgão competente sobre a mudança de nome e sexo, assim como aos demais órgãos de identificação sobre a alteração realizada no registro de nascimento.

A emissão dos demais documentos deve ser solicitada pelo (a) interessado (a) diretamente ao órgão competente por sua emissão. Não há necessidade de apresentação de laudos médicos e nem é preciso passar por avaliação de médico ou psicólogo.

7 comentários:

  1. Kd vc FILHO DE MUTUNS? É grátis. Aproveita logo a oportunidade e muda pra filha de mutuns.

    ResponderExcluir
  2. Pense num absurdo... A Bahia lidera.

    ResponderExcluir
  3. Sodoma e Gomorra, a ira de Deus está próxima!

    ResponderExcluir
  4. Se troca de nome aí pode trocar un número do CPF também como será isso se ais pessoas consulta CPF pelo nome se troca de nome como será isso

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aí, o cara sai de ficha limpa. Kkkkkkk

      Excluir
  5. Depois desse Parrido das trevas aqui se transformou no estado da libertinagem, da viadagem e da pularia, que encontrar viado e pauta, vem pra Bahia!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pode mudar o nome, a aparencia, mas o cromossomo continua sendo de homem. Mulher do Paraguai

      Excluir