quarta-feira, 18 de janeiro de 2023

Indígenas acusados de matar líder de assentamento em Una serão julgados em júri popular

 
Indígenas acusados de homicídio qualificado, sequestro e cárcere privado serão julgados em júri popular, em Ilhéus, no sul da Bahia, a partir da próxima terça-feira (24). O júri foi designado pelo  juiz federal titular da Subseção Judiciária de Ilhéus, Lincoln Pinheiro Costa, a partir da ação penal proposta pelo Ministério Público Federal (MPF).

No total, o júri popular decidirá o destino de nove indígenas denunciados pelo assassinato de Juraci José dos Santos, em fevereiro de 2014, no sítio onde residia, localizado no assentamento Ipiranga, Distrito de Vila Brasil, município de Una-BA. O caso é analisado pela Justiça Federal por envolver indígenas. Ele já havia denunciado à Polícia Federal que recebia ameaças de morte.

Líder de assentamento alertou ministros sobre ameaça de morte

Segundo os autos, os acusados teriam invadido a casa da vítima, rendido a esposa e a enteada, então adolescente, que tiveram a liberdade restringida em uma pequena cozinha onde Juracy foi executado à queima roupa, com disparos de armas de fogo. O primeiro disparo teria sido efetuado por Cristiano Santos Souza. Ainda em vida, a vítima teve uma das orelhas decepada por um dos denunciados, que a levou do local do crime. 

De acordo com a denúncia, dois primos da vítima seriam os autores intelectuais do delito, pois já a vinham ameaçando constantemente. A punibilidade do indígena Cristiano Santos Souza foi extinta em razão do seu óbito, ocorrido em 04/09/2022. O juiz federal Lincoln Pinheiro Costa assegurou a participação dos réus no interrogatório uns dos outros.

Por motivo de segurança, fica limitada a presença de público a 140 pessoas, sendo 55 credenciadas pela acusação, 55 pela defesa e 30 reservadas à Justiça Federal. O Tribunal do Júri contará ainda com a participação de 25 jurados e 5 suplentes.

Bahia Notícias

8 comentários:

  1. Iai Governador vai mandar apurar também?
    Quanto sofrimento esses aproveitadores causaram e os mais atingidos foram os pobres trabalhadores rurais e suas familias, foram humilhados, amedrontados espancados, mortos, expulsos de suas casa em meio a madrugada e governo do estado simplesmente fecharam os olhos para todas essas atrocidades. Infelizmente vamos viver todo esse show de horror novamente Deus tenha piedade de quem realmente sofre com essa injustiça.

    ResponderExcluir
  2. SR. GOVERNADOR E A MOROSIDADE DA POLICIA JUDICIAL. CADÊ O RESULTADO DA EXECUÇÃO DOS PM EM ITAJUIPE?

    ResponderExcluir
  3. Pascoal e sua turma, uma hora a conta chega né pascoal.

    ResponderExcluir
  4. Respostas
    1. Eles tem que pagar pelos crimes cometidos, e não foram poucas viu.

      Excluir
    2. Solta os comentários verdinho, censurando tbm? Esse povo tem que pagar pelo que fizeram.

      Excluir
  5. Por isso que tão matando os esses vagabundos que se diz índio, tem que matar esses lixos mesmo.

    ResponderExcluir
  6. Nenhum TRABALHO, milhões de hectares de terras, muitas verbas federais distribuídas graciosamente, alimentação mensal, remédios e atendimento médico diferenciado... mordomias impensáveis para os TRABALHADORES QUE CARREGAM O PAÍS NAS COSTAS em troca de 1.230 reais. Quem não quer ser índio e preguiçoso, deitado o dia todo mamando corote?

    ResponderExcluir