quinta-feira, 26 de outubro de 2023

Suspensa pelo 4º ano consecutivo em Salvador, Fenagro deixa de movimentar R$ 150 milhões

O cancelamento da Feira Nacional da Agropecuária (Fenagro), que aconteceria em Salvador, no Parque de Exposições, foi comunicado pela Secretaria da Agricultura, Pecuária, Irrigação, Pesca e Aquicultura da Bahia (Seagri) na terça-feira (24). Sem acontecer há quatro anos, a expectativa era que o evento movimentasse R$ 150 milhões durante os 10 dias de exposições.

A ultima edição da Fenagro ocorreu em 2019. Com a pandemia da Covid-19, as edições de 2020 e 2021 foram canceladas, enquanto a de 2022 não aconteceu por se tratar de um ano eleitoral. A edição desse ano seria entre 23 de novembro e 3 de dezembro.

De acordo com o presidente da Federação da Agricultura e Pecuária da Bahia (Faeb), Humberto Miranda, os quatro anos sem o evento correspondem a uma perda de cerca de R$ 600 milhões.

“Além da circulação financeira na feira, é um evento que movimenta a economia de Salvador, porque os expositores que vêm de fora ficam em hotéis, fazem turismo, vão a bares e restaurantes. Também é uma perda para a cidade”, afirmou.

De acordo com a Seagri, o evento deste ano foi suspenso devido a “questões administrativas, estruturais do Parque de Exposições e por falta de tempo hábil para superar entraves burocráticos”.

Apesar disso, Humberto Miranda afirmou que a Seagri havia confirmado o evento cerca de 20 dias antes, em 3 de outubro. A secretaria não detalhou o porquê da feira ter sido cancelada dias após a confirmação. O presidente da Faeb ainda contou que federação foi informada sobre o cancelamento através do comunicado enviado a imprensa, na terça-feira.

Além dos R$ 150 milhões que seriam movimentados no evento deste ano, cerca de 2 mil animais, entre bovinos, equinos, caprinos e ovinos, seriam expostos nos diversos stands. A média de público anual da feira é de 100 mil pessoas.

Além disso, o evento contaria com capacitações gratuitas sobre tecnologias que podem ser utilizadas no campo e cursos voltados para mulheres e jovens.

"É uma feira que recebe muitas escolas também, para que os alunos tenham contato com os animais e aprendam sobre alguns assuntos na prática. Muitas famílias vêm também, para comer e ver os animais de perto", disse o presidente da Faeb.

Para Humberto Miranda, a feira já foi uma referência para o Brasil, com expositores e negócios tanto do grande produtor, como de negócios da agricultura familiar.

"A Fenagro fechava com chave de ouro as exposições de agricultura e pecuária que ocorrem no estado. Era o momento do setor conversar com a cidade grande".

O presidente da Faeb contou que espera que a feira seja realizada em novembro do ano que vem, não em outra data que afete o calendário de exposições agrícolas da Bahia. De acordo com a Seagri, as tratativas para a próxima edição já foram iniciadas.

11 comentários:

  1. Qual o motivo desse blog conceituado não publicar nenhuma matéria sobre briga entre os vereadores Jerberson Morais e Tandick? Vários leitores assíduos desse blog estão estranhando e questionando.

    ResponderExcluir
  2. Kkk governo fudido da porra

    ResponderExcluir
  3. Rapaz vou só dizer uma coisa. Respeito seu pensamento, mas ficar ouvindo, vendo, e assistindo briga de vereadores. Pelo amor de Deus. Os caras estão brigando e se estapeando pelo interesse deles $$$$€ entendeu?

    ResponderExcluir
  4. FAZ O L e chama Jerominho tropa de imbecis!!!!!!

    ResponderExcluir
  5. O desgoverno dos petralhas só aumentam impostos e querem destruir o agro-negócio para que os "sem-terra, sem coragem de trabalhar, sem vergonha" financiados pelos chineses se apoderem das fazendas e produzam commodities que serão repassadas aos criadores de vírus.

    ResponderExcluir
  6. Faz o L agora e vem, faz o L agora e vem. Vem se Lascar você também 🎶

    ResponderExcluir
  7. Quando os idiotas inúteis perceberem que o Estado (políticos) querem a vossa destruição, será tarde demais.

    ResponderExcluir
  8. A exposição fui mudada para a turma do Bozo apresentar os RELÓGIOS comprados em dinheiro vivo dos príncipes árabe.

    ResponderExcluir