quarta-feira, 3 de abril de 2024

Justiça concede prisão domiciliar a acusada de envenenar mãe e duas filhas na Bahia

A Justiça concedeu liberdade provisória para Elisângela Almeida Oliveira, acusada de matar uma mulher e duas crianças em Maragogipe, no recôncavo da Bahia, em agosto de 2018. À Polícia Civil, ela contou que envenenou as vítimas após um desentendimento.

As vítimas, Adriane Ribeiro Santos, de 23 anos, e as filhas dela Greisse Santos da Conceição, de 5 anos, e Rute Santos da Conceição, de 2 anos, foram envenenadas com um inseticida de uso agrícola. As três morreram em um intervalo de 15 dias.

O único sobrevivente da casa foi o marido de Adriane e pai das crianças, identificado como Jeferson Brandão. Ele negou envolvimento nas mortes.

Segundo a decisão do Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA), a ré cumpre os requisitos para a prisão domiciliar. A Diretora do Conjunto Penal informou que Elisângela Almeida Oliveira sofre de problemas de bexiga, fazendo uso de sonda e já foi internada várias vezes.

De acordo com a decisão do TJ-BA, a defesa da investigada pediu a prisão domiciliar para viabilizar o tratamento com urologista, fisioterapeuta e psicólogo.

A decisão prevê ainda que Elisângela Almeida será mantida em prisão domiciliar com o uso de tornozeleira eletrônica. A mulher também está proibida de sair de casa sem ser para atendimento médico-hospitalar. Para isso, ela terá que pedir autorização para Justiça com cinco dias de antecedência.

As investigações apontam que a acusada envenenou Adriane e as filhas dela, depois que se interessou por Jeferson, marido da vítima. Por causa desse interesse, houve um desentendimento entre as duas, e Elisângela resolveu envenenar Adriane.

Não foi detalhado como Valci -- marido da presa -- participou efetivamente do crime, entretanto a Polícia Civil informou que ele, junto com Elisângela, estava coagindo testemunhas para que ninguém passasse informações à polícia, e destruindo provas que pudessem revelar o envolvimento de Elisângela nas mortes.

As vítimas morreram entre o final de julho e o início de agosto de 2018, após apresentarem mal-estar com sintomas parecidos. O cachorro de estimação delas também morreu.

A Polícia Civil investigou se um líquido e um chocolate poderiam ter provocado as mortes. O material foi encontrado na casa da família e passou por testes. Os laudos detectaram a presença do inseticida agrícola nas amostras.

Após a investigação apontar a possibilidade de envenenamento, os corpos das duas primeiras vítimas, que tinham tido óbitos atestados como naturais, foram exumados.

16 comentários:

  1. Essa justiça brasileira é, realmente, uma brincadeira !! Um satanás desses era pra nunca mais na vida sair da prisão. E se o safado do marido participou, cadeia nesse corno também. Sugiro um veterinário pra tratar dessa cobra, cachorra desalmada.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É até uma ofensa aos animais comparar esse demônio com os eles. A alma dela fede a inferno.

      Excluir
  2. Tudo por causa de pi...@ !!! Vagabunda da pior espécie.

    ResponderExcluir
  3. Acredito que faltou a "justiça" valer-se de sua "justa capacidade de avaliação de direito" e agraciar esse exemplo de santidade com uma medalha e uma indenização milionária pelos "incômodos e desconfianças" injustas. Considerando que estamos vivendo sob um regime "cleptocrata ditatorial", devemos entender que as leis e a justiça sejam, de fato, mantenedoras dos direitos daqueles que praticam "atos de misericórdia" de serem protegidos e premiados pela relevância de suas ações "benignas". Portanto, devemos parabenizar veementemente todas as nossas autoridades e representantes. O POVO BRASILEIRO MERECE MUITO MAIS...!

    ResponderExcluir
  4. É só pra isso que serve a justiça mais injusta do mundo. Kkkkkkkk enquanto isso ; o féla coitado que matou uma cobra e comeu " ta preso por molestar a fauna em Pau Brasil sul da bahia .

    ResponderExcluir
  5. Roberto Jefferson idoso, doente e outros sem crimes tão graves na cadeia, vai entender.

    ResponderExcluir
  6. É uma palhaçada mesmo, essa monstruosa agora dita como doente, tem que cumprir a pena em casa. Deixa morrer na cadeia,ceifou a vida de 3 pessoas,sendo duas delas uns anjinhos. Inacreditável!

    ResponderExcluir
  7. Essa justiça brasileira é um nojo

    ResponderExcluir
  8. Desgraca na cara da sociedade 3 homicidios de mae e filhas nao dao e m nada que mundo tamos vivindo gente

    ResponderExcluir
  9. Dá veneno a essa praga também

    ResponderExcluir
  10. Justiça fajuta ,nojenta queria ver se fosse duas folhas e netos sr juiz ,se teria a mesma decisão, uma desgraça dessa tbem merece pena de morte

    ResponderExcluir
  11. Fácil, ela solta a justiça é bem melhor, pois se fosse minhas filhas eu recebia ela da forma que deveria ser recebida.

    ResponderExcluir
  12. As vítimas não possuem um único parente que possa fechar essa conta aberta por esse monstro?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho interessante comentários como o seu de 07:28. Duvido que vc faria alguma coisa, quem faz não fala

      Excluir