sexta-feira, 9 de agosto de 2019

Falso pastor é preso em Teixeira de Freitas

Jerry de Oliveira Morais, 26 anos, que se identificou como Pastor para policiais da Cipe/Caema, em Teixeira de Freitas, foi preso por força de mandado, oriundo do município de Serra/ES, por porte de arma de fogo, com agravante. 

A prisão aconteceu na avenida Presidente Getúlio Vargas, próximo à Upa. Inicialmente ele negou ser foragido, e disse que seria pastor no bairro Ulisses Guimarães, onde estaria morando há mais de um ano. Ao ser consultado no Sistema Integrado das Forças Policiais, foi confirmado através dos dados, que se tratava realmente de uma pessoa foragida há mais de um ano, inclusive com passagem por tráfico de drogas, e já teria cumprido parte da pena em um dos presídios capixabas. 

Jerry ainda teria outra acusação por homicídio, na mesma Comarca Judicial. Diante dos fatos, o foragido confessou os crimes relacionados, mas, disse não se lembrar desse do mandado de prisão por porte de arma de fogo. Ele foi conduzido para a Delegacia de Polícia, onde foi apresentado para delegado plantonista, Júlio Telles, que cumpriu a ordem Judicial, recolhendo o Jerry para a carceragem da unidade policial, onde se encontra à disposição da Justiça Capixaba. (LN)

3 comentários:

  1. Esse deve ficar um bom tempo preso por que não está na ativa. Enquanto isso, os casos de traficantes presos com arma e posse de drogas e liberados na audiência de custódia multiplicam-se pelo Brasil afora. Isso acontece apenas com aqueles que estão ativos no tráfico.

    ResponderExcluir
  2. esse não é falso pastor e sim o verdadeiro, igualzinho aos outros!! tem currículo pra isso!! portanto quem tem um bom currículo como essa desgraça aí só pode ser pastor, político , ministro da justiça e procurador da lava jato em curitiba.

    ResponderExcluir
  3. Nem todos são iguais. Conheço muitos pastores sérios e honrados. A questão é que em todos os lugares tem gente podre. Mas, não podemos dizer que todos os médicos são ruins por conta de alguns, assim com os políticos, professores, pastores...

    ResponderExcluir