quinta-feira, 7 de novembro de 2019

Crise e medo do novo governo causam fuga de empresas na Argentina

Insegurança leva Honda, MWM e Kimberly-Clark a anunciar encerramento das atividades no país
Seja por efeito da recessão, seja por temor do retorno de um governo mais protecionista, empresas importantes, como a montadora japonesa Honda, a fabricante de motores MWM e a gigante de bens de consumo Kimberly-Clark, têm deixado, discretamente, o mercado argentino nos últimos meses.

A crise econômica no país vizinho está impactando principalmente os projetos de médio e longo prazos das empresas do setor automotivo local, o principal destino dos carros “Made in Brazil”. Além da redução de quadro de funcionários e fechamento de alguns turnos de trabalho, as quedas consecutivas nas vendas obrigam as empresas a deixar o país e a transferir as atividades para mercados da região, principalmente o Brasil. É o caso da MWM, a tradicional fabricante de motores diesel, que fechou a sua planta de produção na Argentina.

Controlada pela americana Navistar, a empresa não detalha as razões que a fizeram fechar a planta em Jesús María, na província de Córdoba, região Centro-Norte do país. Em comunicado interno, a MWM Argentina informou apenas que a operação no país se tornou inviável.

“Nem todas as decisões estão associadas ao resultado das urnas, mas é evidente que muitas empresas ficaram temerosas com a volta de políticas mais restritivas ao comércio internacional”, disse o economista Antônio Favano Neto, especialista em economia latino-americana pela Fundação Getulio Vargas (FGV).
A unidade da MWM, inaugurada em 1995, junto com a fábrica da GM, em Canoas, no Rio Grande do Sul, produzia o motor da Chevrolet S10, modelo que saiu de linha em 2015. Com a decisão, a unidade de Córdoba demitiu 100 empregados. Além de atender à GM, a MWM produzia também motores diesel para Ford e Mercedes-Benz. No entanto, a crise dos últimos anos resultou no encerramento da produção de propulsores. A empresa passou a fabricar apenas peças para abastecimento das linhas que ficavam no Brasil.

A produção local, segundo a empresa, será transferida para o Brasil, provavelmente reforçando as atividades de sua fábrica em São Paulo. Com essa transferência, a MWM International centrará suas operações de produção de motores diesel e componentes no Brasil, onde chegou em 1953, ainda sob o controle da Motoren Werke Mannheim, sendo assim filial da empresa alemã homônima, que foi fundada em 1922. Em 1985, a então MWM Motores Diesel Ltda. foi adquirida pela Deutz AG, que vendeu seu controle para a Navistar International em 2005.

A Kimberly-Clark foi outra gigante que, no último mês, anunciou o fechamento de sua fábrica localizada em Bernal, Buenos Aires. A empresa foi fundada em 1904, pela General Match Company. Desde a inauguração, a unidade passou por diferentes proprietários, até que, em 1997, foi adquirida pela multinacional americana.

A fábrica era responsável por produzir diversos produtos das marcas Kleenex e Scott, como papel higiênico, papel toalha, lenços faciais e guardanapos, entre outros produtos. A empresa anunciou que se concentrará na fabricação de fraldas em suas outras duas fábricas, em Pilar e San Luis.

INVESTIMENTO

Apesar do fechamento de uma de suas fábricas, a Kimberly-Clark continuará com o restante de seus investimentos, de acordo com o portal especializado no setor, Tissue On-line. Segundo a multinacional, a Argentina continua sendo um mercado importante para a empresa. Por meio de suas operações, produz e exporta para quatro países da região, empregando mais de 1 mil funcionários no país.

“O fechamento de uma unidade é parte de um inevitável processo de ajuste às demandas locais”, justificou a empresa. A Kimberly-Clark tem uma fábrica em Pilar, dedicada principalmente ao desenvolvimento de produtos de proteção feminina e adulta. Além disso, é dona também de uma planta no parque industrial da província de San Luis, cujo o foco será na produção de fraldas para crianças e adultos.

A planta industrial é considerada uma das três maiores naquela província, o que a torna uma unidade modelo para operações na América Latina, sendo a segunda em níveis de produção na região. Em 1997, a Kimberly-Clark e a Klabin formaram uma joint venture chamada KCK Tissue SA, que adquiriu a fábrica da Celulosa Argentina, atualmente propriedade exclusiva da Kimberly-Clark.
No caso da montadora japonesa Honda, a empresa decidiu suspender a produção do HR-V e seguir montando apenas motocicletas. No local, a empresa faz motos desde 2006. Hoje em dia, monta os modelos Wave, CG 150 e XR 150L. Em comunicado, a companhia informou que “continuará com a comercialização de automóveis e os serviços pós-vendas no país”.

A produção de veículos no Brasil tem sido afetada pela Argentina, que é o maior importador de carros da indústria brasileira. Em julho, o número de unidades de veículos exportados do Brasil caiu 15,3% – de 49.705 para 42.115 –, na comparação com o mesmo mês de 2018. A fábrica fechada fica nos arredores de Campana, região metropolitana de Buenos Aires. A fabricante afirma que o modelo continua sendo vendido no mercado argentino e que será importado de outros locais.

Estagnação no vizinho vai afetar Brasil em 2020, diz estudo

Estudo elaborado pelo Instituto Brasileiro de Economia (FGV IBRE) aponta que a crise econômica da Argentina pode ter feito o PIB do Brasil deixar de crescer 0,5 ponto percentual em 2019. De acordo com a pesquisa, o principal motivo seria a queda de 40% nas exportações brasileiras para a Argentina, nos oito primeiros meses de 2019.

“A ideia do estudo não foi apenas mapear essas relações entre política e economia, mas tentar quantificar quais seriam os efeitos observados do choque argentino sobre o crescimento brasileiro", disse o pesquisador sênior da área de Economia Aplicada do FGV-Ibre, Lívio Ribeiro, em entrevista à agência Sputnik. “Empresas brasileiras têm uma participação relevante no mercado argentino e a demanda argentina tem uma participação relevante no faturamento dessas empresas.”

O economista destacou os resultados da pesquisa que mostraram que a crise econômica argentina gerou “efeitos negativos sobre o PIB brasileiro de 2018, na ordem até -0,3%, e este ano, efeitos da ordem de 0,5%”. Segundo ele, um eventual governo protecionista e a redução da atividade econômica do país vizinho pode comprometer a recuperação do Brasil no ano que vem.

INCERTEZA

“Ainda não sabemos qual será a diretriz do novo governo argentino, mas 2020 tende a ser um ano em que a Argentina tira o crescimento da economia brasileira. O problema é que, neste momento, dada a total incerteza do que vai acontecer, é muito difícil quantificar, ainda que a direção pareça muito clara", completou. Há duas semanas, os argentinos foram às urnas e elegeram como presidente o peronista Alberto Fernández e, como vice, a ex-presidente Cristina Kirchner.

12 comentários:

  1. Kkkkkkk
    O verdinho curte tirar onda com o bolsominion!!!!
    Ele deve acreditar depois dessa.
    Kkkkkkkkk

    ResponderExcluir
  2. BABACA DO COMENTÁRIO DAS 01:27,
    VC SÓ PODIA SER UM MORTADELA DOENTE, ISSO AÍ QUE O VERDINHO POSTOU, FOI DITO PELO MEU E SEU PRESIDENTE. AS EMPRESAS VEM PRA O BRASIL SIM OTÁRIO!!
    SAIBA LER, SE Ñ VAI ESTUDAR QUE É DISSO QUE VC PRECISA.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Visualize as informações, pois as próprias empresas já negaram as informações. E o presidente também já apagou a msgs.

      Excluir
    2. Eles não ligam, blog mentiroso

      Excluir
  3. Verdinho, volte a postar os meninos trucidados a bala... Pq postagem de economia não é seu forte. Vcs nada entendem de economia ou mercado internacional.

    ResponderExcluir
  4. Essa noticia já foi desmentida por essas empresas desde ontem. Se atualize meu chapa.

    ResponderExcluir
  5. Eu tô muito revoltado com tudo isqueiro andam falando da esquerda. Por isso eu digo assim. lula livre do BRASIL, TEU LUGAR É EM CUBA OU VENEZUELA. TURMA DE LADRÕES SAFADOS. ESQUERDA EU TENHO NOJO DE VOCÊS BANDIDOS.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Kkkk,cúmplice de melicianos cala essa boca.fica ai ajudando a postar feik niws

      Excluir
    2. Kkkk,cúmplice de melicianos cala essa boca.fica ai ajudando a postar feik niws

      Excluir
  6. kkkkkk
    o bozo vai deixar o brasil como o melhor pais de se viver= o chile.
    acorda gado.
    hoje:
    combustivel subiu pela 4 semana seguida
    energia eletrica subiu
    taxa de mortalidade infantil subiu
    extrema pobreza subiu
    o dolar subiu

    esta ficando bom.... para os ricos seus otarios bolsominions.
    vcs ainda pediram uma lasquinha da tao falada mortadela pois o capim enjoa!
    kkkkk

    ResponderExcluir