segunda-feira, 29 de março de 2021

Ministro das Relações Exteriores é a nova baixa do Governo Bolsonaro

O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, pediu demissão do cargo nesta segunda-feira (29). A TV Globo apurou que Ernesto avisou a decisão a seus assessores. O pedido ocorre após pressão de parlamentares, inclusive dos presidentes da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), e do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG). 

O ministro já era alvo de críticas pela condução da política externa brasileira, marcada pelo estreitamento nas relações com o EUA durante a presidência de Donald Trump e embates com importantes parceiros comerciais, como a China. A insatisfação com Araújo, entretanto, aumentou nos últimos meses após o país enfrentar demora e atraso na entrega de vacinas e de insumos para a produção de imunizantes contra a Covid-19 produzidos justamente pela China, além da Índia. 

A questão política foi apontada como entrave para a liberação mais ágil das vacinas e dos insumos. O agora ex-ministro negou, em janeiro, que essa tivesse sido a causa do problema. Na quinta (25), o próprio líder do governo do governo na Câmara, Ricardo Barros (PP-PR) disse que "Ernesto Araújo não tem ambiente" para negociar ajuda internacional ao Brasil para acelerar a chegada de vacinas. 

O comentário ocorreu pouco depois de Araújo se reuniu com o presidente da Câmara dos Deputados, deputado Arthur Lira (PP-AL), fora da agenda, e, em seguida, com o presidente Jair Bolsonaro. De acordo com o blog da Andreia Sadi, Araújo tentou reverter uma possível demissão no encontro com Lira, pois não tinha mais apoio nem dentro do governo – apenas a ala ideológica, como o assessor Filipe Martins e o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidente, gostariam de sua permanência no cargo. 

O encontro com Lira e Bolsonaro ocorreu um dia depois de senadores, durante audiência pública com a participação de Araújo, pedirem que ele deixasse o ministério. Ele respondeu aos congressistas que dorme "com a consciência tranquila" e que "é preciso reconhecer as qualidades" do governo. Ernesto Araújo foi anunciado como ministro das Relações Exteriores de Jair Bolsonaro durante a transição de governo, em novembro de 2018, e assumiu o ministério com o início do mandato de Bolsonaro. Enquanto ministro, Ernesto Araújo criticou a política externa adotada pelo Brasil em governos anteriores. 

O ministro causou polêmicas com falas sobre comunismo e ao dizer que o fascismo e o nazismo eram de esquerda. Araújo iniciou a carreira no Itamaraty em 1991. Foi diretor do Departamento de Estados Unidos, Canadá e Assuntos Interamericanos do Itamaraty por dois anos antes de ser ministro. Com quase três décadas de carreira, chegou ao topo da hierarquia diplomática em junho de 2018, quando foi promovido a embaixador. Já atuou nas embaixadas do Brasil em Washington (EUA) e Ottawa (Canadá).

12 comentários:

  1. Vade retro, satanás !

    ResponderExcluir
  2. PILANTRA,SÓ FEZ BESTEIRA E FALOU BESTEIRA

    ResponderExcluir
  3. O texto é até bonitinho e cumpre com bastante poder de convencimento o papel de enganar os menos atentos, a China nunca vai dar algo sem ganhar em troca, a questão dos insumos da vavina casou com a questão do 5g e independente de quem estiver na frente do ministério a China quer não apenas participar do leilão, ela quer ganhar. mais vamos deixar na conversa bonita, vc,s do verdinho também adoram ... imparcialidade 0 ,

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hello?? Desce de Marte que aqui na terra (que não é plana) o negócio está totalmente diferente do que aquilo em que diz acreditar.

      Excluir
  4. Concordo plenamente!!!!!

    ResponderExcluir
  5. Verdinho vc ta virando esquerdista é?, usando como fonte Andrea Sadi, "uma globomusa",que parece que só publica fakenews. Igual quando ela falou que Bolsonaro convidou a médica para ser ministra sqn. O que aconteceu é que a China deve twr comprado alguns membros do congresso para garantir aprovação do 5g. Inclusive foi esse o Twitter do ministro em relacao a senadora.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Outro tonho da lua, lunatico, nazista e otario! Kkkk

      Excluir
    2. Outro Biroliro.

      Excluir
    3. Ué, o bozó apoiou lira e agora obedeceu o Lira.
      O bozó é centrão esqueceram?
      Ali não tem comunista não, são tds empresários gananciosos de direita.

      Excluir
  6. Kkkkkkkkkkkkk
    Todos doido, doudo, igual o Bolzolóide chefe, o mentiroso profissional.

    ResponderExcluir
  7. Vergonha de ser brasileiro

    ResponderExcluir
  8. sai uma desgraça entra outra, sai bandido entra bandido nesse desgoverno!

    ResponderExcluir