segunda-feira, 18 de abril de 2022

‘Racismo estrutural’, diz Margareth sobre não ter a mesma projeção que Ivete e Daniela

Em entrevista ao jornal O Globo, a cantora Margareth Menezes disse que sua carreira não teve a mesma projeção que a de suas colegas de Axé Music Ivete Sangalo e Daniela Mercury por causa do “racismo estrutural”, e que não teve as mesmas oportunidades que as artistas por não ser o “padrão” exigido pela televisão. 

“São histórias de patamares diferentes, e existem aí várias coisas dentro do mesmo pacote. Tem a questão racial, o racismo estrutural da nossa sociedade. A isso soma-se a estética, o padrão da televisão. Nós, mulheres artistas negras, não tínhamos as mesmas oportunidades, aberturas, convites. Outro diferencial é que Daniela e Ivete, mulheres fantásticas e grandes talentos com contribuições enormes na cultura, tiveram a oportunidade de participar de blocos com estrutura, já com a logística arrumada, patrocinadores. Não tinham as mesmas preocupações que eu, que venho da música e de trio independente”, disse Margareth.

A cantora afirmou também que sempre houve luta na sua vida, e sobre o que compõe o seu trabalho como artista. “Minha vida foi luta o tempo todo. Em algum momento, vi que tinha que criar a minha identidade em relação à música. ‘Maga é o que?’ Afropop brasileiro! Comecei a defender essa identidade musical, porque o Axé Music foi um rótulo de generalização. Vi que a música que eu fazia tinha todo o meu legado. Sempre gostei de percussão, do meu histórico ancestral, mas também da coisa urbana. Havia toda uma urbanidade que me influenciava: Tropicália, Belchior, Fagner, João Gilberto, Dorival Caymmi, Rita Lee, Elis Regina, Ney Matogrosso.”

A cantora relembrou que ficou oito anos sem gravadora, mas que conseguiu construir uma carreira de destaque nacional e internacional. “Por outro lado, tive a sagacidade de conseguir o meu espaço dentro disso tudo. Fui uma artista inquieta, sempre gostei de fazer coisas diferentes e sobrevivi a uma situação brutal, fiquei oito anos sem gravadora (depois do disco “Luz dourada”, de 1993, e até o “Maga – Afropop brasileiro”, de 2001, lançado em parceria com a Universal). Mesmo assim, fiz uma carreira de destaque aqui e fora do Brasil. Continuei os projetos e pude atravessar o deserto.”

Margareth está com apresentação marcada nesta quinta-feira (21), no “Baile da Maga”, no Sollar da Baía, no Museu de Arte Moderna, em Salvador.

24 comentários:

  1. Umas músicas horríveis, a maioria cultuando o candomblé e quer que toda a população goste?
    Apesar que ivete e daniela são outras porcarias.

    ResponderExcluir
  2. Grande, grande Maga, grande artista, grande Mulher!
    Ela sempre teve a sua identidade muito clara, para quem por isso admira o seu cantar. Mas é claro que é perceptível como fala aquela música, nós pretos sempre recebemos "o papel pior ou o papel menor." Isso da um cansaço danado,estamos sempre correndo para desviar das pedradas. Mesmo estudando, somos postos a prova sempre, e quando nos rebelamos acham ai um adjetivo para outra vez nos desqualificar. Passamos por um processo de desumanização que dói na alma. O que nos fortalece é o encontro com as irmãs que vivenciam situações parecidas e que constroem e nos ensinam táticas de defesa.
    REAJA OU SERÁ MORTA!

    ResponderExcluir
  3. Não acho racismo acredito que as músicas dela falam muito de orixás essas coisas mais ela também é grande

    ResponderExcluir
  4. Uma vez sepei um fi do cabrunco quando ela tocou tote de manhongá baixou a disgraça em mim

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E ele não te devolveu uns 10 de volta!

      Excluir
  5. Iza e Ludmila estão fazendo sucesso, lutando por seus espaços.

    ResponderExcluir
  6. Mulher pelo amor de Deus, vá buscar seu espaço e esquece esse negócio de racismo, De falta de oportunidade, de cor de pele, vá a luta e trabalhe para alcançar seus objetivos, afinal o mercado está aí para todos....enquanto se preocupa com os outros, a vida passa e as oportunidades também.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. vc com certeza vc ñ é negra. a oportunidade para um negro em nosso país é de 10% . exemplos, o bbb vc já vil um negro ganhar,vc já um novela na Globo ou até mesmo em outra emissora um negro ser o ator principal.vc já teve um governador na Bahia negro.ou até mesmo um prefeito na sua cidade negro. quantos medicos negro nós temos atendendo nos hospitais de nosso municipio. é muito fácil mandar correr atrás dos sonhos. agora realizalos só pra brancos irmão.

      Excluir
    2. Boa ITABUNENSE

      Excluir
  7. Cadê aquela história de ninguem solta a mão da outra,,,,porque as duas não te ajudaram já que são todas socialistas,,,,,lei (rua de ne) foi mais generoso com as outras....deveriam vender suas mansões e dividir com o povão....

    ResponderExcluir
  8. Para de historia,se voce tem menas progecao ao e por ser negra msm pq a bahia e um estado de negros,ou vc como negra nao sabe que 70% da populacao baiana e composta por negros? deixe de se vitimizar como e de praxe de todo afro descendente quando falta talento procura essa fuga no racismo...nao que as outras duas tbm nao sejam outras porcarias so exaltadas pela flobo lixo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Todo afro descendente quando falta talento procura essa fuga no racismo...Comentário indevido, primeiro que ela super talentosa! e no mais o racismo estrutural citado pode ser que ela esteja falando da estrutura musical em si, que ela esteja falando.

      Excluir
  9. Primeiro prefeito negro de Itabuna tá chegando

    ResponderExcluir
  10. VITIMIZAÇÃO!!! Algo muito comum hoje em dia... o mundo está ficando chato com esse MI MI MI exacerbado ... Margareth foi criada na Bahia onde a maioria é negro ou descende do afro ... conversa fiada de vitimista que quer criar a separação dos seres humanos.

    ResponderExcluir
  11. VITIMISTA... MIMIMI... LACRAÇÃO... ESTÁ ATRÁS DISSO... NIGNUÉM TA NEM AÍ PRA COR DE PELE NÃO, LARGA DE PRESEPADA... SUAS MÚSICAS SIMPLESMENTE NÃO SÃO TÃO AGRADÁVESI QUANTO AS DE IVETE OU DE DANIELA, APENAS ISSO... TEM NADA A VER COM COR DE PELE.. LARGA DE PUTARIA COM ESSA VITIMIZAÇÃO SEM SENTIDO.. PORRA...

    ResponderExcluir
  12. Nunca que Ivete e Daniela tem a voz fenomenal de Margareth Menezes. Abala o interior da alma a voz dessa mulher. Mas a Globo tem suas táticas. Grandes atores são trocados por rostinhos bonitinhos.

    ResponderExcluir
  13. Não é bem assim, claro que a Margarete tem seus méritos, porem muita gente inclusive eu, não curtem esse estilo de Musical. Brasil é extremamente Cristão e ela preconiza muito as Raízes do Candomblé. Pega a visão!

    ResponderExcluir
  14. MINHA IRMA ,,FALTA TALENTO EM VC ,,ATE HOJE VC SO GRAVOU UMAS 2 MUSICAZINHAS E MESMO ASSIM SO AFRO,,AI FICA DIFICIL NAO TEVE CHANCHE POR CONTA DE MUSICAS QUE NAO PEGOU NO OUVIDO DO BRASIL..MAS IVETE E ESSA TAL DE DANIELA AINDA DA PRA QUEBRAR UM GALHO,,A GLOBO SO VAI NA BOA OU QUALQUER OUTRA EMISSORA SO QUEREM AUDIENCIAS,,NEGRO E NEGRO O MERCADO NAO ACEITA ,,

    ResponderExcluir
  15. Se aqui tá ruim então vou embora pra África lá que é bom .

    ResponderExcluir
  16. Eu acho q tem muita gente q tem lavar a boca com quinoa e sabão antes de pronunciar religião certo vc qui e evangélico vc quer falo mal da sua região?? E por vcs se acha no direito de falar das outras.orixas se em que nessa história. Margareth vai aluta q vc consegue a final nada cai do céu não agente planta o que colher tal vez não chegou o momento certo ou pode ser livramento de ataques " já q uma torcida achando q todo mundo que evangélico está salvo "

    ResponderExcluir
  17. Eu acho q tem muita gente q tem lavar a boca com kiboa e sabão antes de pronunciar religião certo vc qui e evangélico vc quer fali mal da sua região?? E porque vcs se acha no direito de falar das outras.orixas se entra em que nessa história. Margareth vai aluta q vc consegue a final nada cai do céu não agente planta o que colher tal vez não chegou o momento certo ou pode ser livramento de ataques " já q uma tem torcida achando q todo mundo que é evangélico está salvo "

    ResponderExcluir