quarta-feira, 24 de agosto de 2022

Santa Casa de Misericórdia discute em Brasília fonte de financiamento do novo piso da Enfermagem

Representantes da Santa Casa de Misericórdia de Itabuna estão em Brasília, onde participam do 30º Congresso Nacional das Santas Casas e Hospitais Filantrópicos, que esse ano traz como o tema central “Conectar e Inovar para assegurar o futuro da saúde”. Na pauta estão assuntos como a aprovação da Projeto de Lei da Enfermagem e o impacto na folha das instituições com o novo piso salarial estabelecido para esses profissionais.

A lei estabelece que os hospitais filantrópicos terão de aderir ao novo piso de R$ 4.750 e R$ 3.325 (75% do valor dos vencimentos do enfermeiro) para os técnicos de enfermagem, a partir de setembro. O reajuste traz preocupações, já que não existe uma indicação de fonte de recursos para custeio do reajuste.

A Santa Casa de Itabuna é responsável por mais de 70% dos serviços de média e alta complexidade do Sistema Único de Saúde (SUS) no sul da Bahia e, vem mantendo os atendimentos à população com dificuldade extrema diante da falta de recursos e defasagem de quase duas décadas da tabela de procedimentos do SUS. Agora, com aprovação da Lei 14.434/2022, que instituiu o Piso Nacional da Enfermagem, a situação vai agravar-se ainda mais.

Hoje a instituição emprega diretamente 837 enfermeiros e técnicos de enfermagem. “Eu quero dizer que a Santa Casa é absolutamente favorável ao aumento do teto da enfermagem. Só não temos como arcar com o reajuste se não houver uma ajuda dos governos federal, estadual ou municipal”, explica o provedor Francisco Valdece.


DÉFICIT

O provedor esclarece que, com o piso da enfermagem, a folha mensal será onerada em R$ 1.671.88.99. “Então, esse valor se juntará ao déficit mensal de R$ 3,2 milhões da tabela SUS, totalizando um déficit de quase R$ 5 milhões por mês. Se não houver uma fonte de financiamento para cobrir essa diferença, é óbvio que a Santa Casa de Itabuna não resistirá por muito tempo’, acrescenta o provedor Francisco Valdece.

Assim como as demais 1.823 instituições filantrópicas e Santas Casas do país, a Santa Casa de Itabuna está buscando a viabilização de um aporte financeiro para o cumprimento da lei que estabelece o piso dos enfermeiros e técnicos de enfermagem.

Diversas organizações de saúde estão questionando no Supremo Tribunal Federal (STF) a constitucionalidade da obrigatoriedade do piso, já que a lei não indica fonte de financiamento para o seu cumprimento. Outras entidades, com o aval jurídico, já iniciaram a redução no quadro de enfermeiros e técnicos para equacionar as contas. A Santa Casa de Itabuna aguarda, até o dia 25 de agosto, a publicação da definição da fonte de financiamento do Governo Federal.

12 comentários:

  1. Os caras vao em Brasília pra tentar reduzir o salario digno de quem enfrentou a pandemia de frente..
    Nao vai demorar pra o salario começar a atrasar e falar que e culpa de bolsonaro por ter aumentado o salário da enfermagem....
    E sem falar que a SCMI gastou bastante para reforma do hospital para conseguir um selo de qualidade..
    E nao olha para a enfermaria FRANCISCO FERREIRA DO SUS que quando chove para um rio dentro dos quartos dos pacientes....

    ResponderExcluir
  2. Mas o salários exorbitantes de médicos não fala nada né ! São guerreiros mas a diferença é gritante , a enfermagem que está diretamente ligada ao paciente o período todo , se um médico diz que vai sair tem logo aumento, enfermagem não tem valor , façam uma greve de 24 horas , quero ver qual hospital se segura sem essa equipe fantástica

    ResponderExcluir
  3. Tem que ter greve no hospital para que os sálarios sejam pagos dignamente! Essa que não tem dinheiro e quer negociar com os técnicos é uma piada e um desrespeito a essa classe trabalhadora

    ResponderExcluir
  4. Verdinho espero que vocÊs apoiem a classe trabalhadora dos enfermeiros e técnicos e não o empresário!

    ResponderExcluir
  5. Esse Provedor Valdece é um crápula, ele nunca quiz valorizar a profissão de enfermagem, sempre fez críticas contudentes à classe. Teem gente deles ganhando 30.000,00, 40.000,00 e até 50.000,00.

    ResponderExcluir
  6. Divulga as mensagens q enviamos, tá sendo parcial é?

    ResponderExcluir
  7. Santa casa, sem dinheiro pra pagar o trabalhador que levanta aquele hospital,como sempre uma piada.Eles querem mão de obra barata pra sobrar pro bolso deles isso sim.E não pagar trabalhadores que sofre com tanta cobrança e ameaças principalmente após um tal de selo de qualidade que estão querendo ganhar.Querem um hospital de qualidade e excelência em cima dos trabalhadores pagando um mísero salário.Diminuam os salários dos senhores empalitosados naquele setor pessoal que é muito cacique pra pouco índio.Que sobra bastante dinheiro pra pagar o trabalhador com excelência e ainda sobra pra voces.Acorda Santa casa mais um hospital vem aí o são Lucas

    ResponderExcluir
  8. Sem dinheiro uma piada

    ResponderExcluir
  9. Essa santa casa é uma piada.

    ResponderExcluir
  10. Santa Casa sempre chorando para pagar o salario dos "peões"... Vocês não valorizam a enfermagem, vc valorizam médico que humilha tec, que humilha enfermeiro... Fico indignada com tudo que se passa ali dentro, vcs questionam-se de onde virá o dinheiro e a gnt sempre se pergunta pq não começa reduzindo o salario da coordenadora de Enfermagem? Pq não começa reduzindo o salario do provedor? Pq não reduz o salario de André? Tanta gnt com salario lá nas alturas.
    Isso de ir a Brasília é uma piada! Parem de desvalorizar nossos cargos.
    Merecemos nosso piso!

    ResponderExcluir
  11. Concordo plenamente com você Pessoa do Bem

    ResponderExcluir
  12. BOLSONARO DEU AUMENTO DO PISO,ELE MANDA A VERBA PARA PAGAR A CATEGORIA,O SECRETARIO DE SAUDE TEM QUE REPASSAR OS VALORES PARA OS PROFISSIONAIS DA SAUDE

    ResponderExcluir