terça-feira, 23 de janeiro de 2024

Ação com cerca de 200 fazendeiros que resultou na morte de indígena na BA foi planejada em aplicativo de mensagens, diz ministério

A ação que resultou na morte da indígena Maria Fátima Muniz de Andrade, no sul da Bahia, foi organizada por cerca de 200 fazendeiros por meio do aplicativo de mensagens Whatsapp, em um grupo autointitulado "Invasão Zero". As informações são do Ministério dos Povos Indígenas (MPI).

De acordo com o MPI, a mobilização aconteceu na Fazenda Inhuma, na região de Potiraguá. A área foi ocupada por indígenas no último sábado (20), por ser considerada pelos Pataxó Hã Hã Hãi como de ocupação tradicional.

No entanto, os fazendeiros e comerciantes cercaram a área com dezenas de caminhonetes e tentaram recuperar a propriedade, sem decisão judicial. Na mensagem que foi distribuída por meio do Whatsapp, os fazendeiros informaram que a convocação seria em "caráter de urgência" para ação de reintegração da propriedade invadida. Eles também marcaram o Rio Pardo, na entrada de Pau Brasil, no sul da Bahia, como ponto de encontro.

Dois fazendeiros foram detidos, incluindo o autor dos disparos que vitimaram Maria Fátima Muniz de Andrade. O cacique Nailton Muniz Pataxó também foi baleado, mas sobreviveu.

Um indígena que portava uma arma artesanal, também foi detido. Segundo a Polícia Militar, um fazendeiro foi ferido com uma flechada no braço, mas está estável. De acordo com a PM, ao menos outras sete pessoas ficaram feridas.

Entre os feridos está uma mulher que teve o braço quebrado. Outras pessoas que se machucaram foram hospitalizadas, mas não correm risco de morte.

Na manhã desta segunda-feira (22), integrantes do Movimento dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais Sem Terra (MST) interditaram trechos da BR-101, nos municípios de Teixeira de Freitas, Itamaraju e Itabela, no sul e extremo sul da Bahia.

Em nota, o MST informou que cerca de 500 famílias participaram da ação, se solidarizou com o povo Patoxó Há-Há-Háe e pediu celeridade nas investigações. De acordo com a Polícia Rodoviária Federal (PRF), o trânsito foi liberado após mais de uma hora de interdição na rodovia.

Ainda no domingo (21), o governador Jerônimo Rodrigues convocou uma reunião com secretários e chefes de segurança para reforçar o monitoramento em áreas de confrontos entre fazendeiros e indígenas.

Eleito em 2022, Jerônimo Rodrigues nasceu em um povoado da cidade de Aiquara, na região sudoeste e é autodeclarado indígena.

A Secretaria da Segurança Pública (SSP) reforçou o patrulhamento na região com unidades territoriais e especializadas da Polícia Militar (PM) e equipes da Polícia Civil também estão na região para ouvir depoimentos de testemunhas.

Em nota, o Ministério dos Povos Indígenas (MPI), informou que uma comissão, liderada pela ministra Sonia Guajajara, chegou ao local nesta segunda-feira (22). A ministra visitou os feridos no hospital, e deve visitar a aldeia, além de participar do velório de Maria Fátima.

O caso é investigado pela delegacia de Itapetinga, cidade a cerca de 79 km de Potiraguá, e acompanhado pela Diretoria Regional de Polícia do Interior (Dirpin/Sudoeste-Sul)

30 comentários:

  1. Vão mexer com coisas aleia olha o que dá viva dó suor dó seu rosto jesus Cristo ensinou

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Até a história do Brasil é mal contada. Não houve descobrimento, houve invasão ...

      Excluir
  2. Interessante, os bandidos invadem a propriedade privada, única fonte de renda, o Sr. Defende-se, legítima defesa da sua propriedade. Única fonte e o secretário e vcs solidarizam-se com os invasores? O Brasil não é para amadores. O crime, o tráfico estão institucionalizados nesta república de banana e de merda.

    ResponderExcluir
  3. O marco temporal tem que entrar em vigor,o STF sentou em cima até agora não colocou em plenário.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Então os indígenas devem esperar a lei determinar o que se deve fazer, e não invadir.

      Excluir
  4. Isso no Código Penal é considerado formação de quadrilha. Se havia irregularidade na ocupação, teriam que procurar os meios legais e não tentarem fazer justiça com as próprias mãos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Na eventualidade de bandidos petralhas invadirem o muquifo onde te escondes, o que farias, abriria o furico e mandaria que adentrassem?

      Excluir
  5. É SÓ NÃO INVADIR O QUE É DOS OUTROS.

    ResponderExcluir
  6. Esse país de merda só vai pra trás, com políticos 🐷 só eles enche o cabo de dinheiro,o povo ainda votar, agora esses otários de tal de índio tem que tomar no,,, porque que pegar as fazenda de mão beijada com gado pastaria vão trabalhar miséria é ladrões vagabundos 👌 pra todos lados país só tem lei pra ladrões

    ResponderExcluir
  7. Sou contra invasão de terras.

    ResponderExcluir
  8. qual novidade? se até indio usa o whatsapp tinha de ser por carta era? kkkkkkkkkk

    ResponderExcluir
  9. Os pseudos índios para invadirem não precisam de ordem judicial, já os fazendeiros para retomar suas propriedades precisam!? A matéria tendenciosa não usa o termo correto. O certo seria, os índios INVADIRAM terras produtivas e sem ordem judicial.

    Porém a matéria tendenciosa diz que "[...] área foi OCUPADA por indígenas no último sábado (20), por ser considerada pelos Pataxó Hã Hã Hãi como de ocupação tradicional. No entanto, os fazendeiros e comerciantes cercaram a área com dezenas de caminhonetes e tentaram recuperar a propriedade, sem decisão judicial."

    ResponderExcluir
  10. E vcs acham que as ações "indigenas" de invasão de propriedade alheia são planejadas como? Sinal de fumaça? Me poupe viu

    ResponderExcluir
  11. TOMA VAGABUNDOS, LADRÕES DE TERRA VAI ROUBAR TERRA AGORA NOS INFERNO. 🤣🤣

    ResponderExcluir
  12. Conheço Itapetinga há uns cinquenta anos nunca vi índios por lá, de onde vieram esses índios? Será que dos livros de história do descobrimento?
    Essa é uma vergonhosa armação encima das pessoas de bem, colocar desocupados e marginais pra invadir terra, que não vai ficar para os invasores.
    Lembrando a lei retorno, hoje você invade terras amanhã poderão invadir as suas , de acordo com as ordens da coordenação do grupo.

    ResponderExcluir
  13. A ação não foi para matar, foi para proteger a propriedade. O direito de organizaçã e reunião populares é livre e a Constituição nos assegura isso. Se houve ataque iniciado pelos invasores, os proprietários têm o dinheiro de se defender, pois legitima defesa não é crime.

    ResponderExcluir
  14. A Constituição do Brasil já permite invasão de terra? Onde foi parar o direito a propriedade

    ResponderExcluir
  15. Invasores de terras, assaltantes, terroristas, estupradores, traficantes de drogas, ladrões, contrabandistas, enfim, todas as espécies de criminosos são defendidos pelo Ladrão e seus Petralhas. Afinal de contas, os jumentos comemoraram a entrega do Brasil a um Ladrão e quadrilheiros?

    ResponderExcluir
  16. tudo isso Falta de respeito com os direitos humanos, vcs sabem que São os verdadeiros dodo da Terra?
    Claro que sabem mais a ganancia maior, não lhe deixa ver violência geral violência, Para isso tem as leis mesmo capenga, mas Para retomar a posse não precisava esses procedimentos, já parou Para pensa se fosse o Indio que tivesse tirando a Vida de um fazendeiro, Para isso tem a Lei, mesmo capenga seria bem melhor do que isso que aconteceu.

    ResponderExcluir
  17. Mais um motivo para sabermos escolher nas próximas eleições!!!
    Vamos varrer a esquerda do mapa, só assim para esses desocupados procurarem o que fazer, ao invés de atrasar o lado dos outros!!!
    Tá na hora de começar a mudança que o Brasil precisa!
    Vamos varrer, extirpar essa esquerda imunda, atrasada e maldita de nosso país!!!

    ResponderExcluir
  18. Vamos ver se dessa vez esses ladrões de terras aprendem a lição!!

    ResponderExcluir
  19. Agora essa merda de ministra vêm visitar ladrões no hospital, mas um de nós não vem visitar esses porás safados corruptos tomara que desci bala nesses índio de merda 🥸

    ResponderExcluir
  20. ai está o pensamento dessas pessoas, não tem nada haver, com esquerda ou direita e Sim com Educação, o governo da direita fez maravilha, dividio o Pais com a sua violência, estão todos cegos e cheios de ódio.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aí que vc se engana, vê se na gestão de Bolsonaro acontecia ?! Não sabe pq, pq não tinha apoio, sabiam que era errado, mas só foi a imundície da esquerda assumir novamente, diga-se de passagem, com o aval do ladrão mor, começaram a bagunça!!! Então tem a ver sim com direita e esquerda!!!

      Excluir
  21. todos que estavam nessa invasão já possuem fazendas na aldeia de itaju do colônia, pau brasil e camacã, porem a ganancia por fazenda limpa empastada e estruturada fala mais alto. o desejo de tomar as fazendas e alugar para os próprios fazendeiros colocarem o gado, com fizeram em itaju. as fazendas que esses supostos índios invadiram esta virando mata o território de mais de 54 mil equitaries de terra, se a FUNAI investisse na terra dos indígenas todos teriam uma fonte de renda e não precisariam de mais terra. esses índios da invasão estão funcionando como massa de manobra da FUNAI da conafe e das diversas ongs que estão infiltradas ganhando dinheiro nas custas desse povo, que deveria ser cuidado e não explorados e incentivado para fazer o mau.

    ResponderExcluir
  22. Era a terra que a india queria? já recebeu

    ResponderExcluir
  23. É só juntar um monte de vagabundo preguiçoso e dizer q é índio e invadir as terras dos outros, roubar, e quer ter razão?

    ResponderExcluir
  24. Tanta ignorância das pessoas ficar brigando por terras .
    E ainda tirar a vida das pessoas assim.
    Dessa terra não levamos nada, estamos só de passagem.
    A lei de Deus é justa pra todos .
    As pessoas só pensam em se próprio, esqueci de amar o próximo.
    Em qualquer momento só vai levar é terra na cara
    Só isso que se leva de terra.
    Lamentável essa perda que o Senhor conforte os familiares.
    E que seja feita a justiça de Deus na vida de todos.

    ResponderExcluir
  25. se é terra que eles querem dê terra pra eles

    ResponderExcluir