terça-feira, 9 de abril de 2024

Cinco PMs suspeitos de integrar grupo miliciano são suspensos de atividades públicas

Cinco policiais militares suspeitos de integrar um grupo miliciano na cidade de Feira de Santana, a 100 km de Salvador, e em municípios vizinhos, foram suspensos de atividades públicas. As suspensões fazem parte da operação Hybris, deflagrada nesta terça-feira (9) pela Polícia Federal, Receita Federal, Ministério Público da Bahia (MP-BA), Força Correcional Integrada e a Corregedoria da Polícia Militar.

De acordo com a Polícia Federal (PF), o grupo é investigado por lavar dinheiro do jogo do bicho, agiotagem, extorsão e receptação qualificada.

A Operação Hybris é um desdobramento da Él Patron, que foi deflagrada no ano passado e investigou o deputado Binho Galinha. Na ocasião, três PMS foram presos. Esses policiais não são os mesmos que tiveram as suspensões das atividades nesta terça-feira. A PF não especificou quem foi preso, nem as circunstâncias da prisão.

Durante a operação desta terça, foram cumpridos:

um mandado prisão preventiva;

17 mandados de busca e apreensão;

bloqueio de aproximadamente R$ 4 milhões das contas bancárias dos investigados;

suspensão de atividades econômicas de uma empresa, que não teve o nome divulgado.

Desdobramento de operação

A Operação Hybris é um desdobramento da El Patrón, deflagrada em dezembro do ano passado. Na ocasião, seis pessoas foram presas preventivamente e 35 mandados de busca e apreensão foram cumpridos, em Feira de Santana, por suspeita de formarem um uma milícia responsável por lavagem de dinheiro.

O chefe da organização criminosa foi apontado como o deputado Binho Galinha. Ele está em prisão domiciliar por ser detentor do foro de prerrogativa de função, conhecido popularmente como foro privilegiado.

Em nota enviada à imprensa, o deputado informou que está à disposição da Justiça para esclarecer os fatos envolvendo seu nome e de familiares na operação. Ele negou ter praticado os crimes.

Apesar dele não estar preso em regime fechado, outros envolvidos na organização foram presos, incluindo familiares de Binho Galinha. Relembre:

três policiais militares;

a esposa de Binho Galinha, Mayana Cerqueira da Silva, de 43 anos;

o filho de Binho Galinha, João Guilherme Cerqueira da Silva Escolano, de 18 anos.

Segundo as investigações, a milícia atuava há 20 anos na Bahia e desviou milhões de reais ao longo das décadas. Cada integrante tinha uma função bem definida no grupo:

- PMS: atuavam como "braço armado" da milícia, fazendo as cobranças das dívidas por agiotagem e jogo do bicho.

- Empresas: os empreendimentos tinham licenciamento para funcionar, mas atuavam para lavagem de dinheiro. A PF não deu detalhes sobre os nomes das empresas, mas afirmou que os funcionamentos de todas elas foram suspensos.

- Deputado estadual: chefiava a organização criminosa.

- João Guilherme Cerqueira da Silva Escolano: filho do deputado estadual. Ele era responsável por receber o dinheiro do crime desde quando ainda tinha menos de 18 anos. Ele repassou para o pai cerca de R$ 474 mil

- Mayana Cerqueira da Silva: esposa do deputado estadual. As investigações apontaram movimentação financeira incompatível com os rendimentos declarados à Receita Federal e a maioria das transações feitas por ela envolvem os outros suspeitos.

Na primeira fase da operação, R$ 200 milhões e 26 propriedades rurais foram bloqueados.

9 comentários:

  1. Seria bom da uma investigada em Ibicaraí, pense num cu de mundo pra ter corrupto

    ResponderExcluir
  2. AGENTE NAO VER NAS PAGINAS DE JORNAIS A PF , PRFD SE ENVOLVENDO , O SALARIO DELES E GORDO ,

    ResponderExcluir
  3. Itabuna precisa de uma operação dessa

    ResponderExcluir
  4. E fica um monte de gente besta adorando esses bandidos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Dobre sua língua, ESSES É MUITA GENTE! Toda regra tem suas exceções. Saiba ter respeito pelos profissionais que é bom e nós gostamos. Se coloque no lugar desses guerreiros que dão suas vidas até mesmo por vc e sua família que com certeza nem merecem.

      Excluir
    2. AMIGO das 10 de abril de 2024 às 08:22

      a exceção tá virando a regra... cada vez mais difícil não ver um agente de segurança não corrupto! Infelizmente, muito infelizmente mesmo, é real isso.

      Excluir
  5. Serão agora exclusivos das atividades privadas rssss

    ResponderExcluir
  6. SE NÃO COMEÇAR A MATAR ESSES POLICIAIS CORRUPTOS , VAI SE TORNAR IGUAL RIO DE JANEIRO , MORO NO RIO DE JANEIRO E AFIRMO ESSE LUGAR NÃO TEM MAIS JEITO, SÓ ESTOU AQUI POR TRABALHO.

    ResponderExcluir