segunda-feira, 1 de janeiro de 2024

Após troca de tiros durante discussão entre colegas da PM o resultado é morte

 

Na noite de Réveillon (31/12), o policial militar Railton Silva Cardoso foi vitimado pelo colega de farda em Paulo Afonso, a 470 km de salvador. Os colegas se desentenderam dentro da residência a qual moravam. Durante a briga trocaram tiros e o PM ferido foi encaminhado ao hospital.

Railton não resistiu ao ferimento e veio à óbito. Iuri Oliveira Tupinambá está preso e é lotado na Companhia Independente de Policiamento Tático (CIPT) Nordeste.

Ele se apresentou em Paulo Afonso no 20° Batalhão de Polícia Militar, e também à delegacia. A arma do crime foi encaminhada para o Departamento de Polícia Técnica (DPT) para perícia. As guias periciais e de remoção foram expedidas.

“A Polícia Militar da Bahia se solidariza com familiares e amigos, ao tempo em que se compromete com a adoção de todos os procedimentos que levem à uma apuração irrestrita dos fatos”, afirma a PM em nota.

Esse é o tipo de “incidente” que reacende as discussões sobre a saúde mental dos militares. Além de sobrecarga e o estresse serem algumas das causas mais discutidas entre a corporação, existem também o adoecimento psíquico dos profissionais ao vivenciar operações perigosas, dificuldade de adaptação à vida militar e até problemas pessoais.

O PM também é um ser humano com dificuldades e limites que ultrapassam o aceitável para manter o equilíbrio emocional, principalmente após a Pandemia.

10 comentários:

  1. o policial não nasce policial .Antes de ser policial muitos fumava, cheirava, assaltava, roubava, assassinava , Após tornar se policial transforma em marginal cara alta acima de qualquer suspeita .Tem que se fazer exames toxicológico em todos os policias a cada dois anos

    ResponderExcluir
  2. sobrecarga e o estresse? operações perigosas?, todos antes do concurso sabem que tem!!! mais antes de pensar em $$$$$ ao fazer o concurso devem ser realistas sobre esse perfil profissional... agora em um ambiente familiar/amizade estar portando arma, tem que se analisar o psicologico do cidadao, inves de jogar a culta no lado profissional... eu nao estudo medicina, por nao suportar stress da profissão, nao me meto com politica pq nao gosto da sujeira do modus operandi ... sao escolhas!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Parabéns amigo,enfim um comentário sensato,o que é raríssimo nesse espaço aqui, concordo plenamente com vc, política é coisa podre, sujeira que não suporto tb!

      Excluir
  3. O MENINO DE VÓ VAI DEIXAR VOVÓ!!! 👵🏼

    ResponderExcluir
  4. Agora é que deu, um médico um advogado vai sair matando um colega por causa,de stress, isso é gente ruim mesmo que essa profissão está cheia

    ResponderExcluir
  5. Eles que se entendam!!! Quer ensinar polícia a trabalhar? Eles já saem do curso com todas as técnicas!

    ResponderExcluir
  6. A maioria são filhos que os pais pagam tudo, escola, curso e eles só estudam vivem a vida as custa dos pais. Como ser servidor público é uma ótima opção porque o salário cai na conta todo mês. Eles são incentivados a fazer o concurso, sem ter aptidão, nem ser o curso que gostam faz apenas por dinheiro, e não é por amor a profissão. E aí dá nisso péssimo profissional.

    ResponderExcluir
  7. se ele fez isso com um colega de farda, imagina o que não faz com os cidadãos

    ResponderExcluir
  8. Esses dois últimos parágrafos não justifica o ocorrido.
    Tem muito bandido e usuários de drogas que se tornaram Policial Militar.
    Deveria no mínimo fazer exame toxicológico.

    ResponderExcluir
  9. No final de contas,nao vai dar em nada. Ao menos que a vitima seja filho de algum promotor ou juiz, que e muito raro...ter um genitor juiz,promotor advogado e decide ser sd da pm. No maximo e agente da Pf ou PRF. Entao,em 30 dias do ocorrido o outor vai esta dando baculejo nos cidadoes.

    ResponderExcluir