terça-feira, 2 de abril de 2024

Banco Central faz primeira intervenção no governo Lula após dólar bater R$ 5,06

Um leilão adicional de até 20 mil contratos de swap cambial, o equivalente a US$ 1 bilhão, será realizado pelo Banco Central fará nesta terça-feira (2). Será a primeira intervenção da autoridade monetária para conter a volatilidade do dólar, que encostou nos R$ 5,06, no governo de Luiz Inácio Lula da Silva (PT). O objetivo do BC é prover proteção contra variações excessivas do dólar em relação ao real (hedge cambial) e liquidez ao mercado doméstico.

Em nota, o BC disse que vai atuar “com vistas à manutenção do funcionamento regular do mercado de câmbio” diante dos efeitos gerados pelo resgate do título de NTN-A3 (Nota do Tesouro Nacional, subsérie A3), previsto para o dia 15 de abril. A compra de contrato de swap pela autoridade monetária funciona como injeção de dólares no mercado futuro e quem compra está protegido em caso de desvalorização do real.

O leilão de swap cambial é uma forma de o BC dar saída aos investidores, como se abrisse uma porta alternativa em uma festa lotada, exemplificam economistas. Os contratos ofertados pelo BC possuem dois vencimentos: 2 de janeiro de 2025 e 1º de abril de 2025. Em valores atuais, os papeis de NTN-A3 equivalem a cerca de US$ 3,7 bilhões.

“Serão aceitos no máximo até 20.000 (vinte mil) contratos a serem distribuídos a critério do Banco Central do Brasil, entre os vencimentos acima mencionados”, diz a autoridade monetária. O BC acolherá as propostas das instituições financeiras (limitadas a cinco por instituição) entre 12h30 e 12h40, e o resultado da oferta pública será divulgado após a apuração realizada pela autarquia.

Após a divulgação do resultado, a autoridade monetária enviará à B3 a relação das instituições contempladas, a quantidade de contratos aceita para cada uma e a taxa de juros apurada no leilão. Mais cedo, entre 11h30 e 11h40, o BC vai realizar o leilão tradicional de até 16 mil contratos –equivalente a US$ 800 milhões– em rolagem de instrumentos existentes no mercado.

Nesta segunda (1º), o dólar subiu 0,88% e terminou a sessão cotado a R$ 5,058, acompanhando a forte alta dos títulos do Tesouro americano, os chamados “Treasuries”, em dia de ajustes após o feriado de Páscoa. O mercado foi impactado, ainda, pela baixa liquidez da sessão em dia de feriado na Europa.

10 comentários:

  1. A economia está uma maravilha. Parabéns ao 9 dedos e todos seus ministros incompetentes.

    Daqui pra frente é só pra trás.

    ResponderExcluir
  2. Esse presidente do banco central foi indicado pelo CBozo, por isso tá boicotando o governo Lula com juros altos e lentidão na queda dos juros

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Presidente do BC, safado também, igual à grande maioria dos "nossos" políticos.

      Excluir
    2. SE INFORME SEU ANIMAL, BURRO BURRO

      Excluir
  3. Bota lá um ladrão do pt que melhora kkkkkk

    ResponderExcluir
  4. O correio e Petrobras já tá se lascando não me diga de quem está lá foi o bozó q colocoukkkkk

    ResponderExcluir
  5. As contas públicas estourando. Estamos pagando as viagens internacionais da JANJA.
    E lá vem aumento no preço dos remédios.

    ResponderExcluir
  6. Claro, o rombo de 240 bilhões o banco está preocupado em não quebrar e está se prevenindo já sabendo do que vem pela frente no governo Lula. Culpa do Bolsonaro? Ainda tem gente que acredita no parasita do dito papi.

    ResponderExcluir
  7. Comentário das 09h08m: À tempos que já foi trocado o Presidente do BC seu analfabeto desinformado.

    ResponderExcluir